31.3.08

A Síndrome do "Novo Pelé"

Pato e Pelé: Comparação benéfica ou oportunista?

Não é de hoje que tentam achar um substituto para o título de “Novo Pelé” dentro da Seleção Brasileira de Futebol. Zico, Ronaldo, Ronaldinho Gaúcho, Robinho figuram entre os nomes que a imprensa nacional e internacional associa ao Rei do futebol . Após a vitória de 1 a 0 sobre a seleção da Suécia a imprensa já elegeu o novo alvo para idolatria e comparação: Alexandre Pato.

De fato as exibições de Pato chamam a atenção: estreou com gols em todas as equipes que atuou (Internacional, Milan e Seleção Brasileira) e mantém uma média de boas atuações que fazem dele um dos jogadores mais promissores da nova geração. É inegável que se trata de um atleta acima da média que pode finalmente trazer o ouro olímpico para o Brasil ou se tornar o melhor do mundo nos próximos anos.

O que me deixa incomodado é a mania de muitos jornalistas tem de comparar qualquer bom jogador a Pelé, algo que na minha humilde opinião é totalmente desnecessário e irritante. Muitos jogadores muito mais habilidosos e com carreiras mais vitoriosas que o jovem atacante do Milan não se dão a luxo de tal comparação. É o caso de Zidane, Platini, Cruyff, Di Stefano entre outros, que mesmo tendo consciência de suas qualidades técnicas, sabem que Pelé esteve e estará no lugar mais alto na história do futebol. O único que ainda contesta a coroa do Rei é Maradona, mas isso seria uma discussão para outro artigo.

Pato tem muito para crescer no futebol. Amadurecer, conquistar títulos e consolidar a carreira, assim como Robinho, Ronaldinho Gaúcho e Ronaldo que foram vitoriosos nos clubes que passaram e mesmo assim perderam o posto de sucessores de Pelé naturalmente após queda na produção dentro de campo.

Pra que então esta busca por um “novo Pelé”? Seria uma forma de vender mais notícias, valorizar o jogador, criar esperança no torcedor, inflar o ego do jovem atleta? Não sei a resposta ainda mas acredito que depois de Pato surgirão novos “Pelés” classificados pela mídia, e se este não tomar cuidado para não deixar o sucesso subir à cabeça, poderá acabar se frustrando no futuro.

5 comentários:

maismovimento disse...

olá.
Parabéns pelo blog, muito bem feito.

O fato é simples, o futebol de hoje totalmente dominado pelas corporações, precisa eleger a todo instante um "NOVO" herói, para fins sempre estranhos ao jogo.

Os eleitos não aguentam mais a pressão das corporações, marcas e mídia. É só prestar atenção: Ronaldo, Ronaldinho. Eles são usados para fins corporativos de venda como todo o restante do futebol... por isso ganham tanto.
Para serem os eleitos.

Marcelo Pitel

gerson sicca disse...

Pelé é unico. Pato pode vir a ser um craque, mas faltará muito para o rei, que jogava demais.
Não vi o Pato no Milan, mas no INter posso dizer q ele teve muitas atuações apagadas, assim como na seleção. Muitas vezes mostrou-se um jogador desligado do jogo. Tem muita habilidade, mas tem q crescer muito ainda. Falta a ele, por enquanto, a tensão 220V do Nilmar, por exemplo.

Cléber disse...

Infelizmente a comparação de bons jogadores do momento com o Rei sempre é feita pela imprensa! No fundo todo mundo sabe que isso não tem nexo e que Pelé sempre vai ser o maior de todos!

carlão disse...

Para mim, tais comparações não ajudam nem atrapalham.

Além do mais, Pato e os outros nem sabem quem foi Pelé.

Anônimo disse...

Isso sempre existiu e sempre vai existir. Em todas as áreas. Procura-se por um novo Pelé no futebol, um novo Michael Jordan no basquete, um novo Senna/Schumacher na F-1, um novo Maradona na Argentina...

Abraço do Joe.