12.4.14

Restam três

Após o término da primeira fase da Copa Libertadores de 2014, uma ingrata surpresa: dos seis representantes brasileiros, apenas três avançaram para a fase de “mata-mata” no torneio.  E muito se engana quem acredita que os brasileiros terão vida fácil. Confira o Raio-X dos adversários de Grêmio, Atlético Mineiro e Cruzeiro.

Grêmio vs San Lorenzo 

Apesar dos gremistas possuírem um time muito mais equilibrado, a frieza dos números não representa a real dificuldade da partida. Atual campeão do Apertura 2013 e líder do Clausura 2014, o San Lorenzo possui uma equipe que mescla experiência de renomados atletas com a juventude de jogadores promissores. Que diga o Botafogo... 

Club Atlético San Lorenzo de Almagro 

Melhor participação na Libertadores: Semifinalista (1960, 1973 e 1988) 

Atual Campanha: 6J-2V-2E-2D-6GP-5GC – 2º Colocado no Grupo 2 com 8 pontos 

Time-base – 4-2-3-1: Torrico; Bufarini, Carlos Valdés (Cetto), Gentiletti e Más; Mercier e Ortigoza; Romagnoli (Villalba), Piatti e Ángel Correa; Blandi (Mauro Matos). Técnico: Edgardo Bauza. 

Ele é o cara! Ignacio Piatti é o atleta com maior bagagem internacional dos cuervos. Decisivo, costuma chamar a responsabilidade nos momentos difíceis. Foram dele os dois gols heroicos que classificaram o time de Almagro. 

O homem-gol: Apesar de ter marcado apenas uma vez no torneio, Blandi é o típico centroavante que se movimenta muito e abre espaços para quem vem detrás. Ex-Boca Juniors, já marcou 5 gols com a camisa azulgrana.

Olho nele! O prata-da-casa Ángel Correa, com apenas 19 anos, é titular absoluto do San Lorenzo. Habilidoso e velocista, tem um estilo de jogo agudo, semelhante ao de seu compatriota Kun Aguero.  

Pontos fortes: Possui um quarteto de ataque muito forte, com vários atletas perigosos. Mercier e Ortigoza marcam muito bem e passam tranquilidade ao time. A paixão da torcida e a pressão que ela exerce no El Nuevo Gasómetro motivam os jogadores. 
  
Pontos fracos: Bufarini e Más são muito ofensivos e deixam espaços nas suas subidas ao ataque. A zaga não é tão alta e sofre em jogadas aéreas. Apesar de tradicional, o time do papa Francisco vive o fantasma de nunca ter vencido o torneio.

Atlético Mineiro vs Atlético Nacional 

Longe de encantar os torcedores, como em 2013, o Atlético jogará contra o Atlético Nacional, bicampeão colombiano.  Trata-se de uma equipe técnica, que sabe jogar no contra-ataque. Não à toa, eliminou o poderoso Newell’s Old Boys em Rosário. E convenhamos, o time de Medellín é melhor do que todos os outros adversários que o Galo enfrentou na fase anterior... 

Club Atlético Nacional S. A.

Melhor participação na Libertadores: Campeão (1989) 

Atual Campanha: 6J-3V-1E-2D-7GP-8GC – 2º Colocado no Grupo 6, com 10 pontos 

Time-base – 4-3-2-1: Armani; Bocanegra, Medina, Murillo e Farid Díaz; Bernal (Arías), Mejía e Valencia; Cardona (Berrío) e Cárdenas; Juan Pablo Ángel (Duque). Técnico: Juan Carlos Osório. 

Ele é o cara! Cérebro do time, Mejía coordena todas as ações dos verdolagas em campo. Todas as bolas passam pelos pés do camisa 13, graças ao seu bom passe e grande capacidade de executar lançamentos em profundidade. 

O homem-gol: A idade é a maior inimiga de Juán Pablo Ángel. Com 38 anos, o atacante não realiza longas viagens e atua somente nos jogos em casa. Ainda assim, sabe posicionar-se na área e chuta com ambas as pernas. Oportunista nato. 

Olho nele! Com 21 anos, o ponta-de-lança Cardona destaca-se pelas fortes arrancadas e boa precisão nos arremates. Marcou gols pontuais nas vitórias magras frente ao Newell’s e ao Nacional. Peca pelo gênio explosivo, que lhe ocasiona expulsões e advertências.  

Pontos fortes: Time equilibrado, possui destaques em todos os setores: Medina na zaga, Mejía e Cárdenas no meio e Ángel e Cardona na frente. Tem um meio-campo compacto que contra-ataca com rapidez. Jogadas de bola parada são muito bem treinadas e quase sempre mortais. 

Pontos fracos: Armani é um goleiro meramente razoável e não passa segurança. Bocanegra e Díaz marcam mal e deixam muitos espaços nas alas. Apesar de habilidosos, os atacantes não vivem grande fase e perdem muitas oportunidades de gol.

Cruzeiro vs Cerro Porteño

Depois de passar pelo susto de quase ser eliminado na 1ª fase, o Cruzeiro enfrenta o Cerro Porteño, atual campeão nacional invicto. Apostando na força do conjunto e em nomes conhecidos (7 dos 11 titulares vieram das categorias de base), o Ciclón sonha com o título inédito, feito alcançado no Paraguai apenas por seus maiores rivais, o Olímpia. 

Club Cerro Porteño 

Melhor participação na Libertadores: Semifinalista (1973, 1978, 1993, 1998, 1999 e 2011) 

Atual Campanha: 6J-3V-1E-2D-10GP-9GC – 1º Colocado no Grupo 3, com 10 pontos 

Time-base – 4-4-2: Fernández; Bonet, Luís Cardozo, Ortiz e Alonso; Oviedo, Júlio dos Santos, Corujo e Óscar Romero; Ángel Romero e Guiza (Beltrán). Técnico: Francisco Arce. 

Ele é o cara! Júlio dos Santos é o motorzinho do time azul-grená. Ajuda tanto na marcação quanto na armação. Além disso, chuta bem de fora da área. É o artilheiro da competição até o momento, com 5 gols. 

O homem-gol: Veterano, o espanhol Dani Guiza atua como um verdadeiro pivô, saindo para tabelar e posicionando-se muito bem na área. Dono de um chute potente e um bom cabeceio, já marcou balançou as redes em 3 oportunidades. 

Olho nele! Eleito por jornalistas como o futebolista do ano em 2013, Ángel Romero destaca-se por suas jogadas individuais e pelo bom arremate. Ao lado de seu irmão gêmeo Óscar Romero é tido como uma das promessas da seleção guarani. 

Pontos fortes: Júlio dos Santos e Guiza vivem grande fase – juntos marcaram 8 gols no torneio. Possui um lado direito muito perigoso com Bonet e Corujo. Ambos são habilidosos e gostam de atuar pelos flancos do gramado. O time joga junto há tempos e é muito entrosada. 

Pontos fracos: Possui muitos jogadores jovens que podem oscilar em momentos decisivos. O meio-campo não tem muita “pegada” e peca por deixar os rivais muito à vontade. Não possui peças de reposição no banco de reservas.

8.4.14

Semifinais à vista

A partir desta terça-feira conheceremos quais serão os quatro semifinalistas da Champions League 2013/14. Você, prezado leitor virtual, sabe o que rolou na semana  passada? Então confira um resumo e delicie-se com as partidas...

Chelsea vs Paris Saint-Germain

Pastore (centro) comemora com
Matuidi e Jallet o terceiro gol do
PSG contra o Chelsea 
O golaço de Javier Pastore no Parc de Princes já no apagar das luzes, deu uma boa vantagem aos parisienses, que agora podem perder por até por um gol de diferença para conquistar a classificação. Sem Ibrahimovic, machucado, Lucas deve ganhar uma chance e Cavani, enfim, poderá atuar no centro do ataque.

Já os londrinos esperam que, em Stamford Bridge, a dupla Oscar-Hazard esteja mais inspirada. Neste confronto, José Mourinho provavelmente escalará os Blues com um centroavante fixo. Resta saber se Fernando Torres terá tanta “estrela” para reverter este quadro...

Borussia Dortmund vs Real Madrid

Virtual eliminado, o Borussia, atual vice-campeão europeu dependerá de um milagre para reverter a derrota por 3 a 0 no Santiago Bernabéu. Nem o retorno de Lewandowski ao ataque deverá surtir efeito. Com Reus bem marcado e uma linha defensiva aquém do esperado, os alemães quase não atacaram os espanhóis.

Prova disso, é que o trio formado por Cristiano Ronaldo, Isco e Bale massacrou a equipe aurinegra. Os merengues só não construíram um placar mais elástico graças às boas defesas de Weidenfeller. Isso por que Marcelo e Dí Maria, lesionados, não jogaram. Mas também não fizeram falta.

Atlético de Madrid vs Barcelona

Após quatro confrontos nesta temporada e quatro empates, o duelo espanhol permanece sem um grande favorito. Os desfalques de ambos os lados serão decisivos. Se por um lado, os Colchoneros não poderão contar com seu matador Diego Costa, os blaugranas, além de não terem Valdés (que sequer atuou na partida de ida) ficarão sem o zagueiro Piqué.

Quanto ao jogo, podemos apostar naquilo que já fora visto no Camp Nou. Com a vantagem de passar de fase se não sofrer gols, o Atleti abusará do seu poder de marcação e jogará nos contragolpes, enquanto que o Barça tentará acuar o rival através da sua habilidade e toque de bola.

Bayern de Munique vs Manchester United

Pela discrepância de fase dos atuais elencos, poucos acreditavam num empate em Old Trafford. Mesmo sem contar com Van Persie e Evra, David Moyes soube montar uma ótima estratégia que fizeram os Red Devils não tomarem muitos sustos durante toda a partida. Os bávaros tiveram, no máximo, umas três chances claras durante todo o jogo.

Entretanto, parece pouco provável que os mancunianos consigam repetir o feito em pleno Allianz Arena. Ainda que não possa contar com Schweinsteiger (expulso após um carrinho em Rooney), Pep Guardiola possui nomes muito versáteis. Pode recuar Muller e colocar Mandzukic, promover a entrada de Gotze ou avançar Javi Martínez. Opções não faltam...

5.4.14

Clima de decisões

Neste final de semana os principais campeonatos estaduais do país estão chegando ao fim. Pouco comentados nas fases iniciais, seja pelo formato esdrúxulo ou pela concorrência com torneios mais interessantes, como a Copa Libertadores ou a Copa do Brasil, na grande final não Há dúvidas. Estimulado pela rixa local ou pelo simples fato de ver seu time levantar mais um título, o torcedor acompanha.

Confira abaixo, o preview de tudo que está rolando entre os principais estaduais do país...

Campeonato Baiano
Vitória vs Bahia 

Detentor da melhor campanha no campeonato, os rubro-negros aparecem com certo favoritismo sobre os tricolores. Além disso, o Leão foi mais constante durante toda a competição e possui nomes mais tarimbados como Aylton, Marquinhos, Dinei e Juan. Já pelo lado do Bahia, o destaque é o jovem Anderson Talisca, que demonstra muita qualidade e já marcou 5 gols na temporada. A grande curiosidade é o fato de Souza do Vitória e Maxi Biancucchi do Bahia terem atuado até o ano passado pela equipe adversária.  

Jogo anterior (2ª fase: Bahia 2x0 Vitória) 

Chances de títuloOpinião FC: Vitória 70%, Bahia 30%  

Campeonato Carioca
Flamengo vs Vasco 

Mesmo poupando vários jogadores durante a competição por causa da Libertadores, o Mengão possui a melhor campanha e o ataque mais positivo, com 42 gols marcados. Se Leo Moura, Elano e André Santos não devem jogar a partida de ida, o rubro-negro apostará em Alecsandro, que faz ótima temporada. Já os cruzmaltinos confiam em Edmílson, artilheiro da competição com 11 gols e no ótimo setor defensivo formado por Martín Silva, Rodrigo e Luan que sofreu apenas 12 tentos.   

Jogo anterior (1ª fase: Vasco 1x2 Flamengo) 

Chances de títuloOpinião FC: Flamengo 55%, Vasco 45%  

Campeonato Catarinense
Figueirense vs Joinville 

Ao final da 1ª fase, Metropolitano e Criciúma eram tidos como favoritos para vencerem o quadrangular semifinal. Como ambos ficaram pelo caminho, alvinegros e tricolores devem fazer um duelo muito equilibrado. Se o JEC possui uma forte defesa que tomou apenas 10 gols e o rodado Jael no ataque, o Figueira confia na dupla de frente formada por Everton Santos e Ricardo Bueno. Isso sem contar as ótimas bolas paradas cobradas por Marcos Assunção que, machucado, não deve atuar no 1º jogo. 

Jogos anteriores (1ª fase: Figueirense 3x0 Joinville; 2ª fase: Joinville 1x1 Figueirense; Figueirense 1x2 Joinville) 

Chances de títuloOpinião FC: Figueirense 55%, Joinville 45%  

Campeonato Gaúcho
Internacional vs Grêmio 

A dupla Gre-Nal utilizou times mistos durante a competição e ainda assim conseguiu garantir vaga na final com tranquilidade. Atual tricampeão, o Colorado saiu na frente ao passar pelo rival na primeira partida com uma virada de 2 a 1 em plena arena gremista. Destaques para os experientes Dida, Alex, D’Alessandro e Willians, que ao lado de Rafael Moura, que vive ótima fase, vêm fazendo a diferença. Já o Imortal terá de contar com a garra de seus marcadores e com o poderio ofensivo de Barcos, artilheiro do estadual com 13 gols. 

Jogos anteriores (1ª fase: Grêmio 1x1 Internacional; Final (ida): Grêmio 1x2 Internacional) 

Chances de títuloOpinião FC: Internacional ¨65%, Grêmio 35%  

Campeonato Mineiro
Cruzeiro vs Atlético 

Entre todos os estaduais, o Mineiro talvez tenha sido o mais enfadonho. Cruzeirenses e atleticanos priorizaram a Copa Libertadores e nem assim os clubes do interior incomodaram. Invicto e dono do melhor ataque (27 gols) e da melhor defesa (5 gols), a Raposa confia na base campeã nacional em 2013. Julio Baptista, em ótima fase, tem marcado até gols. Pelos lados do atual bicampeão Galo, muitos desfalques, como Rever, Fernandinho, Josué... Quem pode beneficiar-se com isso é Marion, garoto da base que vem marcando seus golzinhos. 

Jogo anterior (1ª fase: Atlético 0x0 Cruzeiro) 

Chances de títuloOpinião FC: Cruzeiro 50%, Atlético 50%  

Campeonato Paranaense
Maringá vs Londrina 

Donos apenas da 3ª e 4ª melhores campanhas, Maringá e Londrina, respectivamente, realizam uma final inédita. Com apenas quatro anos de existência, a Zebra consegue atingir a finalíssima em sua primeira participação na elite paranaense, após eliminar o atual campeão Coritiba. Destaque para a dupla de ataque formada por Cristiano Lopes e Gabriel Barcos. Já o Tubarão que nas semifinais eliminou o expressinho do Atlético comandado por Petkovic, aposta na força de sua torcida e na estrela de seu atacante Arthur. 

Jogo anterior (1ª fase: Londrina 3x2 Maringá) 

Chances de títuloOpinião FC: Londrina 55%, Maringá 45%  

Campeonato Paulista
Santos vs Ituano 

Dono da melhor campanha e com apenas uma derrota sofrida, o elenco santista que mescla a experiência de Thiago Ribeiro e jovens promissores como Gabriel e Geuvânio enfrenta o surpreendente Ituano, graças a incompetência dos seus rivais. Para surpreender o Peixe, o Galo atuará de forma compacta, sem cometer muitos riscos, e depender dos contra-ataques de Rafael Silva ou das jogadas de bola para da do zagueiro-artilheiro Anderson Salles. Em sua sexta final consecutiva, não resta dúvidas, que o time praiano é franco favorito.   

Jogo anterior (1ª fase: Ituano 0x1 Santos)

Chances de títuloOpinião FC: Santos 85%, Ituano 15%  

3.4.14

Trio de Ferro enferrujado

Famoso por ser considerado o torneio estadual que apresenta maior equilíbrio, mais uma vez o Campeonato Paulista não terá representantes da Capital na grande finalíssima. Ao contrário, porém, do que ocorrera em situações anteriores, isso se deve mais por demérito de corintianos, são-paulinos e palmeirenses do que por competência dos interioranos.

Não. O intuito do texto não é desmerecer as belas campanhas de Ituano, Penapolense ou Botafogo, mas sim deflagrar as deficiências do chamado “Trio-de-Ferro” paulista as vésperas do início do Brasileirão. 

Aliás, convenhamos, foi-se o tempo em que o interior revelava nomes que apareceriam na seleção, como o zagueiro tetracampeão Márcio Santos (ex-Novorizontino), o recém aposentado pentacampeão Rivaldo (ex-Mogi Mirim) ou até mesmo o armador Juninho Paulista, atualmente Gerente de Futebol do próprio Ituano, clube que o revelou. 

Corinthians
Faltou conjunto

A chegada de Mano Menezes e a reformulação abrupta no esquema tático alvinegro foram as desculpas utilizadas para explicar o fraco desempenho no início da competição que culminou com derrotas para São Bernardo e Bragantino no Pacaembu, além do vexame sofrido frente ao Santos por 5 a 1. Nem a pequena arrancada ao final do torneio foi suficiente para classificar o Timão entre os oito melhores da competição.

Campanha: 15J-7V-3E-5D-24GP-19GC 

Maior Destaque: Jadson. Mudou a “cara” do time, depois de sua chegada.

Melhor Aposta: Luciano. Jovem revelação, mostrou estrela e marcou 4 gols na reta final da competição.

Maior Decepção: Guerrero. Viveu uma "seca" de gols e foi para banco de reservas.

São Paulo 
Faltou vontade 

Imbatível em casa e presa fácil atuando fora de seus domínios, o time do Morumbi alternou entre bons e maus momentos. Com um elenco limitado, Muricy Ramalho não conseguiu dar constância ao time que, quando bem marcado, pouco agride. Talvez a eliminação frente ao Penapolense fosse menos sentida pelos são-paulinos se eles vissem o time, ao menos, empenhar-se em sair da marcação rival. Só que não.

Campanha: 16J-8V-4E-4D-28GP-15GC

Maior Destaque: Alvaro Pereira. Compensa a limitação técnica com a força e a garra uruguaia.

Melhor Aposta: Oswaldo. Apesar das desconfianças, cavou seu lugar na equipe titular.

Maior Decepção: Luís Ricardo. Chegou para ser titular, mas não convenceu.

Palmeiras
Faltou tranquilidade 

Alan Kardec: Gols e pedidos de
convocação para a Seleção
Até a 14ª rodada, o Verdão estava invicto e era o detentor da melhor campanha no torneio. Apesar de ter sido derrotado para o Santos num jogo muito equilibrado, o alviverde perdeu parte de sua confiança. Aliado a isso, o desfalque de algumas peças essenciais ao esquema de Gilson Kleina desestruturou o ritmo da equipe e mostrou que o fantasma que representa os recentes rebaixamentos e eliminações ainda desestabiliza os palestrinos. 

Campanha: 17J-12V-2E-3D-29GP-14GC

Maior Destaque: Alan Kardec. Participativo, tornou-se o homem-gol do time

Melhor Aposta: Wellington. Revelação da base, agarrou a chance que teve e virou titular.

Maior Decepção: Mazinho. Desde a volta do empréstimo perde cada vez mais espaço.  

Logicamente que o Santos é amplo favorito à conquista de seu vigésimo primeiro título. Obviamente, deve aprender com os deslizes dos rivais para não ser surpreendido pelo Galo de Itu. Time para isso, o Peixe tem. De sobra.

26.3.14

Na Liberta, quem dá bola é o Santos..

Rentería e Orozco comemoram o 4º gol contra o Peñarol
O Santos Laguna é o primeiro time garantido na próxima fase da Libertadores

Cinco jogos, quatro vitórias, um empate e nenhuma derrota. Onze gols marcados e apenas dois gols sofridos. Esta é a campanha do primeiro time garantido nas oitavas-de-finais da Copa Libertadores de 2014: o Santos Laguna.

Atuais líderes do Grupo 8 e detentores do melhor desempenho no certame até o momento, Los Guerreros mostram um futebol aguerrido e objetivo e são praticamente imbatíveis sob seus domínios, no estádio Corona. Não à toa, além de ser um dos quatro invictos, também são os que mais balançaram as redes na competição. 

O esquema formado pelo treinador português Pedro Caixinha (famoso por ter realizado campanhas memoráveis com o União de Leiria e o Nacional da Ilha da Madeira) é bem ofensivo. O 4-3-3 dos alviverdes possui quatro defensores que sobem muito pouco ao ataque (com exceção ao lateral-esquerdo uruguaio Lacerda), três meio-campistas que marcam e saem jogando com qualidade e um trio de ataque de respeito formado por Oribe Peralta, e pelos promissores Orozco e Andrés Rentería.  

Juntos, Peralta e Quintero marcaram
5 gols nesta Libertadores
Conhecido como o autor dos gols que fizeram o México bater o Brasil na final das últimas Olimpíadas, Oribe Peralta é muito mais do que um mero centroavante fixo. Ele também sabe abrir espaços para os jogadores que vem detrás para “fazer o pivô”. 

Outro nome de destaque é o do colombiano Darwin Quintero que pode atuar tanto no meio quanto nos flancos ofensivos. Inteligente, bate muito bem na bola e aparece no ataque com frequência. Participou de 7 dos 11 gols marcados pelo Santos na competição.

Isso sem falar, em outros atletas conhecidos como o veterano goleiro mexicano Oswaldo Sánchez ou o rodado volante Juan Pablo Rodríguez. 

Regular, o Santos acostumou-se a alcançar as fases decisivas dos torneios que disputa. Nas últimas cinco ligas nacionais, acumula um título, um vice e duas semifinais. Isso sem contar as duas últimas participações na Concachampions, quando os laguneros ficaram com o segundo lugar em ambas as oportunidades.

Ou seja, é bom os brasileiros terem cuidado e torcerem para não cruzar com os santistas. Pois se os comandados de Caixinha faturarem a Libertadores não será nenhuma surpresa...


24.3.14

Maioridade absoluta

A MLS chega a sua 17ª edição:
Exemplo de que organização é a chave do sucesso
Após a Copa do Mundo de 1994, os Estados Unidos comprometeram-se a criar uma liga de futebol profissional e tivesse o mínimo de organização para que a fórmula de disputa fosse sempre mantida. Assim nascia a MLS - Major League Soccer.

Da primeira edição a temporada atual, muita coisa mudou. Se inicialmente eram reunidos  meros dez participantes, atualmente há quase o dobro: 19 equipes disputando o certame. Isso sem contar que, além dos dois novos clubes que já confirmaram sua presença no torneio em 2015 (New York City e Orlando City), haverá a inclusão da franquia de Miami, recém-comprada pelo ex-jogador David Beckham.

Outro exemplo que comprova o amadurecimento da Liga Americana  é a presença de vários atletas que deverão disputar a Copa do Mundo no Brasil, como o goleiro brasileiro Júlio César, o ponta hondurenho Victor Bernárdez, o atacante inglês Defoe ou os norte-americanos Bradley, Donovan, Maurice Edu e Dempsey. Isso sem falar nos medalhões veteranos Marco Di Vaio, Robbie Keane e Thierry Henry ou nos conhecidos e já rodados Blas Pérez, Federico Higuaín e Marco Pappa. Ou seja, há tempos a MLS deixou de ser um torneio apenas para "pernas-de-pau".

A vinda de atletas renomados também colaborou para a difusão do esporte no país. apesar de estar longe dos holofotes das ligas de outras modalidades (NBA, NHL ou NFL), a MLS já consegue formar seus próprios ídolos, como o lendário goleiro Nick Rimando ou o matador Chris Wondolowski. Nomes, que mesmo sem terem atuado em nenhum país europeu, podem estar no Brasil, defendendo o US Team na Copa do Mundo.

Enfim, hoje já vemos estádios cheios, atletas mais conhecidos e equipes bem estruturadas. Ok, se levarmos em consideração que na Concachampions (a Libertadores da América do Norte) os clubes yankees continuam sendo derrotados pelos mexicanos, criamos uma falsa ideia de retrocesso. Se lembrarmos, entretanto, que há pouco tempo atrás os times eram quase que semi-amadores, o salto de qualidade do campeonato norte-americanos impressiona.

Os dezenove clubes da MLS:
No total, 16 são estado-unidenses e 3 são canadenses

22.3.14

Quartas-de-finais da Champions - Parte II

Com o objetivo de estarem na grande final, em Lisboa, outras quatro agremiações buscam avançar de fase.

Confira a segunda parte do Especial acerca das quartas-de-final da Champions League:

Real Madrid vs Borussia Dortmund 
Com gostinho de vingança 

No reencontro das equipes que realizaram uma das semifinais no ano passado, os merengues despontam como principais favoritos. Além de atravessarem uma fase melhor, Cristiano Ronaldo, Bale e companhia possuem um elenco muito mais forte e versátil. Para piorar, o Borussia aparece cheio de desfalques, cinco no total. Ainda assim, não nos esqueçamos do poderio de Lewandowski, que marcou 4 gols no Westfalenstadion na Champions de 2012/13.

Real Madrid Club de Fútbol

Melhor participação: Nove vezes campeão (1955/56, 1956/57, 1957/58, 1958/59, 1959/60, 1965/66, 1997/98, 1999/00 e 2001/02)

Campanha: 8J/7V/1E/0D/29GP/7GC: fora: 6x1 Galatasaray; em casa: 4x0 Copenhagen; em casa: 2x1 Juventus; fora: 2x2 Juventus; em casa: 4x1 Galatasaray; fora: 2x0 Copenhagen; fora: 6x1 Schalke 04; em casa: 3x1 Schalke 04

Time-base (4-3-3): Casillas; Arbeloa (Carvajal), Sergio Ramos, Pepe e Marcelo; Xabi Alonso, Modric (Illarramendi) e Di Maria; Bale (Isco), Cristiano Ronaldo e Benzema. Técnico: Carlo Ancelotti.

Ele é o cara! Eleito o melhor do mundo pela 2ª vez, Cristiano Ronaldo dispensa maiores apresentações. Destaca-se em praticamente todos os fundamentos, é completo. Dos 29 gols marcados pelos madrilenos na Champions, participou efetivamente de 17 deles (4 assistências e 13 gols – atual artilheiro da competição).

Olho nele! Contratado junto ao Málaga no início da temporada, Isco é praticamente o 12º jogador de Carlo Ancelotti. Habilidoso, dono de passes precisos e remates poderosos, já marcou 7 gols com a camisa merengue e foi convocado duas vezes para a seleção.

Por que dá Real Madrid? Cristiano Ronaldo atravessa a melhor fase de sua carreira. É o melhor do mundo merecidamente. Apesar das polêmicas em torno de sua transferência, Bale é uma ótima opção para “desafogar” quando Cristiano está “apagado”.  Além disso, Ancelotti, enfim montou uma tática que consegue extrair o melhor de Modric, Di Maria, Xabi Alonso e Benzema.  

Ballspielverein Borussia 09 e.V. Dortmund

Melhor participação: Campeão (1996/97)

Campanha: 8J/5V/0E/3D/16GP/10GC: fora: 1x2 Napoli; em casa: 3x0 Olympique de Marselha; fora: 2x1 Arsenal; em casa: 0x1 Arsenal; em casa: 3x1 Napoli; fora: 2x1 Olympique de Marselha; fora: 4x2 Zenit; em casa: 1x2 Zenit

Time-base (4-2-3-1): Weidenfeller; Piszczek, Hummels (Friedrich), Papastathopoulos e Schmelzer; Kehl e Sahin; Reus (Aubameyang), Mkhitaryan (Jojic) e Grosskreutz; Lewandowski. Técnico: Jurgen Klopp.

Ele é o cara! Lewandowski é o grande homem-gol do Dortmund. Apesar da altura, também mostra qualidade com os pés. Oportunista, cresce em decisões. Como atuará pelo rival Bayern de Munique na temporada 2014/15, tem a última chance de liderar o clube ao título europeu.

Olho nele! As lesões de Gundogan, Kuba e Bender fizeram o sérvio Jojic começar a ser utilizado pelos aurinegros. Trata-se de um jovem habilidoso que chega com facilidade na área. Em três jogos pela Bundesliga, anotou dois tentos.

Por que dá Borussia Dortmund? O quarteto ofensivo formado por Reus, Mkhitaryan, Grosskreutz e Lewandowski é perigoso e deve ser acompanhado de perto. Weidenfeller é muito seguro e costuma crescer em jogos difíceis. A fanática torcida alemã pode fazer a diferença no jogo de volta em Borussia.

Aposta OpiniãoFC: Real Madrid 60%, Borussia Dortmund 40%

Paris Saint-Germain vs Chelsea
O duelo dos novos ricos 

Atuais líderes nas ligas locais, PSG e Chelsea realizam o confronto menos tradicional desta fase. Impulsionados por seus donos magnatas, não à toa, são os que possuem menos atletas de seus respectivos países em seu “onze inicial”: um francês no Rouge-et-bleu e apenas três ingleses nos Blues. O que todos querem saber é quem será mais decisivo: o astro goleador Ibrahimovic ou o jovem cerebral Hazard. Mas, pelo menos, no papel, vantagem para os ingleses.

Paris Saint-Germain Football Club

Melhor participação: Semifinalista (1994/95)

Campanha: 8J/6V/1E/1D/22GP/6GC: fora: 4x1 Olympiacos; em casa: 3x0 Benfica; fora: 5x0 Anderlecht; em casa: 1x1 Anderlecht; em casa: 2x1 Olympiacos; fora 1x2 Benfica; fora: 4x0 Bayer Leverkusen; em casa: 2x1 Bayer Leverkusen

Time-base (4-3-3): Sirigu; Van der Wiel, Thiago Silva, Alex (Marquinhos) e Maxwell; Thiago Motta, Verrati (Cabaye) e Matuidi; Cavani, Ibrahimovic e Lavezzi. Técnico: Laurent Blanc.  

Ele é o cara! Os franceses jogam em função de Ibrahimovic. Vigoroso, sabe tanto abrir espaços, quanto atuar como pivô. Participativo e decisivo tem 40 gols e 16 assistências na temporada. É o vice-artilheiro da Champios, com 10 tentos anotados.

Olho nele! Forte fisicamente, e dono de grande capacidade de sair jogando, Verrati é o elemento surpresa do meio-campo parisiense aparecendo no ataque com frequência. Tido como o sucessor do Pirlo, precisa aprender a não confundir excesso de vontade com violência.

Por que dá Paris Saint-Germain? A dupla Cavani-Ibrahimovic marca muitos gols e é muito difícil de ser marcada. A linha de meio-campistas formada por Motta, Matuidi e Cabaye chuta muito bem, possui características ofensivas e pode surpreender num contra-ataque. Possui reservas que podem mudar o panorama de uma partida, como Lucas, Pastore ou Rabiot.

Chelsea Football Club

Melhor participação: Campeão (2011/12)

Campanha: 8J/5V/1E/2D/15GP/4GC: fora: 1x2 Basel; fora: 4x0 Steaua Bucaresti; fora: 3x0 Schalke 04; em casa: 3x0 Schalke 04; em casa: 0x1 Basel; em casa: 1x0 Steaua Bucaresti; fora: 1x1 Galatasaray; em casa: 2x0 Galatasaray

Time-base (4-2-3-1): Cech; Ivanovic, Terry (David Luiz), Cahill e Azpilicueta (Ashley Cole); Ramires e Lampard; Willian (Schurrle), Oscar e Hazard; Eto’o (Torres). Técnico: Jose Mourinho.

Ele é o cara! Hazard é o diferencial do esquema dos londrinos. Seja pelos flancos do campo ou pelo meio, o belga comanda todos os avanços ofensivos do time e destaca-se tanto pelas assistências quanto pelos gols marcados. É o melhor atleta da temporada até então.

Olho nele! Quando as coisas não saem como o esperado, Schurrle é uma das opções para modificar a partida. Raçudo, é uma ótima opção como segundo atacante, vindo detrás, seja nos cruzamentos para a área, seja nos remates de fora da área.

Por que dá Chelsea? Apesar de jovens, Hazard e Oscar vivem grande momento. Quando estão mal, os Blues têm sérios problemas... Possui dois “volantes” com muita capacidade para sair jogando e atacar, como Lampard e Ramires. Mesmo criticado, José Mourinho é um estrategista nato e cabe ressaltar: nunca foi eliminado numa quartas-de-finais de Champions.

Aposta OpiniãoFC: Paris Saint-Germain 45%, Chelsea 55%

21.3.14

Quartas-de-finais da Champions - Parte I

Terminada a fase de quartas-de-finais da Champions League, vimos pela primeira vez a ausência de algum azarão. 

Restaram os melhores esquadrões europeus. Prova disso é que, desde que o torneio adota o atual formato de regulamento, nunca todos os líderes dos oito grupos iniciais haviam avançado para as quartas-de-finais. Até agora. 

Após o sorteio realizado na manhã desta última sexta-feira, quatro interessantes duelos irão agitar os gramados na busca pela finalíssima do dia 24 de maio, em Lisboa. Confira aqui a primeira parte com o preview destes confrontos: 

Manchester United vs Bayern de Munique
Tradição colocada à prova 


No duelo mais tradicional desta fase, ingleses e alemães reeditarão a dramática final de 98/99 que consagrou o bicampeonato dos Red Devils. Hoje, porém, se há um favorito, ele é o Bayern de Ribéry. Atual campeão do torneio e virtual bicampeão nacional, o time de Munique possui o elenco mais estelar do continente. Ainda que em má fase (é apenas o 7º na Premier League), o United deve ser respeitado por sua tradição e pode atrapalhar, e muito, a classificação bávara.        

Manchester United Football Club

Melhor participação: Três vezes campeão (1967/68, 1998/99 e 2007/08) 

Campanha: 8J/5V/2E/1D/15GP/5GC: em casa: 4x2 Bayer Leverkusen; fora: 1x1 Shakhtar Donetsk; em casa: 1x0 Real Sociedad; fora: 0x0 Real Sociedad; fora: 5x0 Bayer Leverkusen; em casa: 1x0 Shakhtar Donetsk; fora: 0x2 Olympiacos; em casa: 3x0 Olympiacos

Time-base (4-2-3-1): De Gea; Rafael, Vidic, Ferdinand e Evra; Carrick e Cleverley (Giggs); Valencia, Rooney e Welbeck (Young); Van Persie. Técnico: David Moyes.

Ele é o cara! Grande destaque na vitória contra o Olympiacos com um hat-trick, a experiência fez Van Persie tornar-se um centroavante letal: bom nos chutes de média e curta distância, no cabeceio e nas bolas paradas. Peca apenas na parte física e lesiona-se com certa frequência.

Olho nele! Quando chegou a Old Trafford, há quase três anos, após a aposentadoria de Van der Sar muitos duvidavam do potencial do jovem De Gea. Ágil, destaca-se por sua elasticidade e bom posicionamento. É o provável substituto de Casillas na seleção espanhola.

Por que dá Manchester United? Rooney e Van Persie têm qualidade e podem resolver nas poucas chances que tiverem. De Gea vive grande fase e sofre poucos gols. Apesar de veterano, Giggs bate muito bem na bola e não pode ser desdenhado pelo adversário. Camisa pesa. 

Fußball-Club Bayern München e. V. 

Melhor participação: Cinco vezes campeão (1973/74, 1974/75, 1975/76, 2000/01 e 2012/13)

Campanha: 8J/6V/1E/1D/20GP/6GC: em casa: 3x0 CSKA Moscou; fora: 3x1 Manchester City; em casa: 5x0 Viktoria Plzen; fora: 1x0 Viktoria Plzen; fora: 3x1 CSKA Moscou; em casa: 2x3 Manchester City; fora: 2x0 Arsenal; em casa: 1x1 Arsenal

Time-base (4-2-3-1): Neuer; Lahm, Dante, Boateng e Alaba; Javi Martínez e Schweinsteiger (Kroos); Muller (Gotze), Ribéry e Robben; Mandzukic (Thiago Alcântara). Técnico: Pep Guardiola

Ele é o cara! Apesar de não apresentar-se com a mesma eficiência do ano passado, Ribéry é o grande maestro dos bávaros. Inteligente, faz com que todas as bolas ofensivas passam pelos seus pés. Só resta torcer para que o terceiro melhor jogador do mundo melhore sua condição física e atue com maior regularidade.

Olho nele! Convocado para a seleção austríaca desde os 17 anos, Alaba é um lateral com personalidade forte que defende com eficácia e apoia com qualidade. Foi eleito por três anos consecutivos como o melhor jogador austríaco do ano. 

Por que dá Bayern de Munique? Possui um elenco muito dinâmico que permite a Pep Guardiola utilizar o esquema adequado para cada jogo. O trio Robben-Ribéry-Muller inverte incessantemente de posição e dificulta a marcação rival. Soube reforçar ainda mais a base campeã da Champions de 2013, com Gotze e Thiago Alcântara. 

Aposta OpiniãoFC: Manchester United 30%, Bayern de Munique 70% 

Barcelona vs Atlético de Madrid
Clássico é clássico ou vice-versa 

No único clássico desta fase, destaque para os momentos opostos de ambos. Se os catalães vivem uma mini-crise pelo fraco desempenho demonstrado nos jogos, a boa fase dos Colchoneros os deixa esperançosos na busca pelo inédito título. Tempos atrás, o Barça de Messi seria considerado favorito absoluto. Hoje, nem tanto. O equilíbrio do duelo, inclusive, pode ser representado pelo nervoso empate sem gols que marcou a 19ª rodada da La Liga

Fútbol Club Barcelona

Melhor participação: Quatro vezes campeão (1991/92, 2005/06, 2008/09 e 2010/11)

Campanha: 8J/6V/1E/1D/20GP/6GC: em casa: 4x0 Ajax; fora: 1x0 Celtic; fora 1x1 Milan; em casa: 3x1 Milan; fora: 1x2 Ajax; em casa: 6x1 Celtic; fora: 2x0 Manchester City; em casa: 2x1 Manchester City

Time-base (4-3-3): Victor Valdés; Daniel Alves, Mascherano, Piqué e Alba; Busquets, Xavi e Fábregas; Iniesta (Pedro Rodríguez), Messi e Neymar (Alexis Sánchez). Técnico: Gerardo Martino.

Ele é o cara! Mesmo voltando de contusão recente, Messi prova jogo-pós-jogo toda sua capacidade. Inteligente, alia velocidade, agilidade e visão de jogo. Marcou 31 gols na temporada, 8 deles na Champions. Não à toa, ainda é considerado por muitos o melhor jogador da atualidade. Afinal: “Messi é Messi”.

Olho nele! Com características que o assemelham a Xavi, Sergi Roberto é um jovem valor que geralmente entra ao final das partidas para fechar espaços no meio-campo. Dono de bom passe, trata-se de outro bom valor surgido na Cantera catalã. 

Por que dá Barcelona? Além da tradição, possui um time muito entrosado, com vários atletas que podem decidir, como Messi, Xavi, Iniesta e Neymar. Em jogos truncados, as subidas pelas alas de Dani Alves e Alba originam jogadas perigosas. No banco, tanto Alexis Sánchez quanto Pedro vivem ótima fase. 

Club Atlético de Madrid

Melhor participação: Vice-campeão (1973/74)

Campanha: 8J/7V/1E/0D/20GP/4GC: em casa: 3x1 Zenit; fora: 2x1 Porto; fora: 3x0 Áustria Viena; em casa: 4x0 Áustria Viena; fora: 1x1 Zenit; em casa: 2x0 Porto; fora: 1x0 Milan; em casa: 4x1 Milan

Time-base (4-3-2-1): Courtois; Juanfran, Godín, Miranda e Filipe Luís; Gabi, Mário Suárez e Koke; Arda Turan e Raúl García (David Villa); Diego Costa. Técnico: Diego Simeone.

Ele é o cara! Em alta, o brasileiro naturalizado espanhol Diego Costa destaca-se pela forte presença de área e alto poder de definição. A fase atual é tão boa que o treinador até abriu mão de um companheiro de ataque. Brigador e truculento, já possui 7 gols na competição.

Olho nele! Prata-da-casa, Koke é o diferencial dos rojiblancos, atuando como o elo entre a defesa e o ataque. Ajuda tanto na marcação quanto na distribuição de jogadas. Dono de fortes chutes já marcou 5 gols na temporada.

Por que dá Atlético de Madrid? Diego Costa aproveita-se pelo fato do time jogar em função dele e, bom cabeceador, deve dar trabalho à zaga rival. Tem um jogo muito intenso e uma defesa que sofre poucos gols, graças à liderança de Gabi e a experiência de Godín e Miranda. A experiência de Villa pode ser crucial, caso o duelo esteja muito amarrado. 

Aposta OpiniãoFC: Barcelona 50%, Atlético de Madrid 50%

16.3.14

O invencível Bayern

Schweinsteiger comemora com Robben o gol da vitória deste último sábado:
Experiente volante foi o nome do jogo com um gol e uma assistência

Rossi; Tassoti, Baresi, Costacurta e Maldini; Albertini, Rijkaard (Desailly), Donadoni (Boban) e Gullit (Savicevic); Van Basten e Massaro (Papin). Essa era a base do Milan treinado por Fabio Capello que, no início da década de 90, além de conquistar o tricampeonato italiano chegou a três finais de Champions League e alcançou a inimaginável marca de 58 partidas sem derrota no Calcio.

Inimaginável até agora. Soberano na atual Bundesliga, o atual campeão europeu Bayern de Munique não só venceu o Bayer Leverkusen por 2 a 1 (consolidando ainda mais a folga na liderança da competição com 23 pontos de vantagem sobre o vice-líder Borussia Dortmund) como manteve o retrospecto de 50 jogos invictos na liga alemã. A última derrota, inclusive, fora no dia 28 de outubro de 2012 para o próprio Leverkusen. 

Mesmo com propostas de outros grandes, o trio Robben-Ribery-Lahm
preferiu seguir no Bayern apostando numa equipe cada vez mais forte
 
Uma vez que o título apresenta-se como mera questão de tempo, a pergunta da vez é: Será que os competitivos bávaros conseguirão superar o histórico desempenho do estelar elenco rossonero? Restando apenas nove rodadas para o término do campeonato, o Bayern duelará com duros rivais que dificultarão ao máximo esta missão. 


Afinal, o segredo do elenco roten está em sua organização. Antes de sair à caça de atletas de forma aleatória, a diretoria priorizou a manutenção de seus principais atletas e soube aproveitar bons nomes que surgiram na base, casos de Kroos, Muller, Contento, Badstuber ou Alaba. 

Além disso, o Bayern soube contratar as peças certas para o lugar certo, sem fazer loucuras. Tanto que, boa parte de seus reforços são provenientes de equipes rivais, como Neuer (ex-Schalke 04), Mandzukic (ex-Wolfsburg), Dante (ex-Borussia Monchengladbach) e Gotze (ex-Borussia Dortmund). É justamente seguindo esta política de contratações que o atacante aurinegro Lewandowski já está “apalavrado” com a equipe da capital e desembarcará em Munique em julho. 


Os comandados de Pep Guardiola certamente são o time a ser batido, seja em terras alemãs ou no restante do continente. Mas uma coisa é certa: com a previsível e precoce conquista do bicampeonato nacional aliada ao afunilamento da Champions League, é provável que o Bayern perderá algum jogo bobo por mera distração nesta jornada rumo ao recorde. Sonhar, entretanto, não é impossível...

Confira os nove jogos restantes:
Fora contra o Mainz, fora contra o Hertha Berlim, em casa contra o Hoffenheim, fora contra o Augsburg, em casa contra o Borussia Dortmund, fora contra o Eintracht Braunschweig, em casa contra o Werder Bremen, fora contra o Hamburgo e em casa contra o Stuttgart.