28.9.07

Esse Arsenal tem bala?

Adebayor e Fabregas: peças decisivas na ascensão do Arsenal neste Campeonato Inglês.

Decorridas sete rodadas da Premier League, o Arsenal figura como líder absoluto, com cinco vitórias e um empate. Claro que é cedo para se fazer algum prognóstico, mas surpreendentemente, o Arsenal - que foi o que menos gastou entre os quatro grandes da Inglaterra - vem jogando o futebol mais coletivo e vistoso da Inglaterra. O título, que parecia uma realidade mais distante, agora é perfeitamente possível. Até onde chegam os Gunners?

Com uma política de gastos mais "pé-no-chão" por conta da construção do Emirates Stadium, o Arsenal resolveu apostar novamente em suas jovens promessas. E elas estão correspondendo principalmente graças a um nome: Arsène Wenger. O francês, famoso por revelar nas fileiras londrinas jogadores como Henry, Vieira e Touré, é o responsável pela ascensão dessa nova safra, que conta com nomes como Adebayor, Van Persie, Denílson e Fabregas, por exemplo.

A capacidade de Wenger em mesclar essas jovens revelações com jogadores mais tarimbados, como Lehmann, Gallas e Gilberto Silva vêm sendo decisiva para colocar o Arsenal no patamar em que está. A maioria das apostas em relação ao Arsenal davam conta que o time sentiria muito a falta da referência de Henry, jogador de presença e liderança incontestáveis na história do clube. Mas surpreendentemente, Fabregas assume a responsabilidade de jogador mais técnico do time, enquanto Adebayor, em fase excelente e com a artilharia da competição(6 gols), torna-se a arma letal no ataque dos Gunners. Responsáveis por 10 dos 14 gols da equipe neste Campeonato Inglês, a dobradinha entre Fabregas e Adebayor vem se mostrando decisiva, pois os dois jogam neste momento o melhor futebol de suas respectivas carreiras. Isso tudo somado a eficiência defensiva (apenas quatro gols em seis jogos) e o suporte de jogadores como Gilberto Silva e Hleb, quase sempre de um futebol objetivo e regular.

Mas não podemos nos esquecer que o elenco do Arsenal é no geral, muito jovem e limitado em algumas posições. E essa falta de experiência pode pesar mais à frente da competição, principalmente nos confrontos diretos contra os grandes. Mas com um Liverpool buscando o acerto de seu time, um Manchester irregular e de dificuldades ofensivas e um Chelsea que está "sem rumo" após a perda de José Mourinho, o Arsenal se apresenta com boas chances de levantar a taça. E se Fabregas - na minha opinião, disparado como o melhor jogador da Premier League até aqui - continuar jogando dessa forma, a tendência é sempre de melhora. Será que a munição desse Arsenal é suficiente para vencer esta guerra?

22.9.07

Adestradores de Focas?

Coelho e Kerlon: Fim do futebol-arte ou exagero dos jornalistas de plantão?

O que se viu no Mineirão, no clássico entre Cruzeiro e Atlético, foi alvo de polêmicas repercussões, por vezes até fervorosas e exageradas. O lance da foquinha, protagonizado pelo cruzeirense Kerlon quando o Cruzeiro vencia o rival por 4 a 3, rendeu diversos defensores, tanto de Kerlon quanto o de Coelho.

Os principais defensores do lateral do Galo foram principalmente seus colegas de profissão. Jogadores como o zagueiro Luiz Alberto (Fluminense) e o lateral Kléber (Santos) afirmaram - mesmo podendo ser julgados pelo STJD pelo fato de exporem a sua opinião - que fariam a mesma coisa que o colega de profissão do Atlético. Ou mesmo Dunga, que reconheceu a jogada como "recurso" para parar Kerlon. Outros tantos, na sua maioria jornalistas e ex-jogadores, defenderam as malabarices de Kerlon, afirmando que podar o drible da foquinha do garoto seria como "uma afronta ao futebol arte". Nessas opiniões tão antagônicas, quem teria a razão? Será que o futebol será dominado pelos brutucus de plantão?

Minha visão do acontecido é bastante contestável, eu reconheço. Primeiro: Claro que como um (quase) jornalista que adora futebol, e acima de tudo, o jogo leal e bem jogado, eu deveria discorrer sobre o "crime" que Coelho teria cometido. Mas acho uma grande demagogia a comparação do fato a escassez do futebol-arte e bem jogado no Campeonato Brasileiro. Salvo a excessão de alguns jogadores - provavelmente os contraria numa mão - não é possível exigir um primor de técnica e jogadas brilhantes para esses que aí estão. Prova disso é o incontestável líder São Paulo, que é um time aplicadíssimo taticamente, de ótimos valores, mas que tem na defesa o seu grande trunfo. A zaga tricolor conta com alguns dos melhores zagueiros e volantes do Brasil, fator que faz com que a equipe lidere o campeonato com sobras. Isso é mérito de Muricy e seu elenco, mas quais os atacantes perigosos que temos no Brasil atualmente? Segundo: Não achei nada objetiva a jogada de Kerlon, pois mesmo com sua habilidade de controlar a bola com a cabeça, ele não ia em direção ao gol de fato. É lógico que a entrada de Coelho foi demasiada violenta, mas é errado colocá-lo como grande bandido. Como ouvi muito por aí, porque o jogador cruzeirense não faz esse tipo de lance quando seu time está perdendo? Por isso, não acho certa a comparação a Robinho, na final de 2002, onde o "Rei das Pedaladas" foi para cima de Rogério e estava em direção ao gol, quando estava zero a zero. Com Garrincha então, acho mais imcomparável, pois aquela era uma época muito mais romântica e onde a técnica era mais importante que o preparo físico, algo inconcebível nos dias de hoje. Fora que Mané era maravilhosamente irresponsável. Fazia o que fazia, não importava o adversário e o placar.

Assim como Kerlon, acredito que muitos jogadores como Ronaldo Gáucho, Zidane e tantos outros são capazes de fazer o que ele faz, mas nos encantam objetivamente, com um elástico, chapéus inesperados, calcanhares geniais. Não precisam equilibrar a bola para mostrarem o quanto são craques.

O que me intriga é essa demagogia de muitos "dinosauros" da imprensa, que pregam um futebol-arte arcaico, que só existe em suas memórias. Claro que respeito o argumento de muitos que defendem Kerlon, e não estou generalizando meu pensamento a todos que o defendem. Mas tem muito jornalista (ou pseudo-jornalista) que precisa rever seus conceitos. Quanto a Kerlon, parece um jogador que pode se tornar um bom futebolista, mas ainda acho que ele precisa ser um pouquinho mais pé-no-chão e jogar futebol.

20.9.07

Emocionante do começo ao fim


Parece que não tem mais jeito de tirar o título do Morumbi. Mais uma rodada do Brasileirão, mais uma vitória do São Paulo em um passeio sobre o Santos de Luxemburgo. Em um campeonato de pontos corridos ter um quase campeão com 12 rodadas de antecedência pode parecer pouco interessante, pelo menos é isso que alegam os defensores do modelo anterior: o mata-mata. No entanto, o modelo atual privilegia os melhores e mostra que para se tornar campeão o time precisa mais do que sorte e oportunismo. Necessita de estrutura, bons dirigentes e transparência em sua administração. Confesso que sinto falta dos domingos de decisão, o calor de uma final entre Corinthians e Palmeiras, mas ainda assim fico com o campeonato de pontos corridos.

Com o campeão praticamente decidido, o emocionante agora é ficar de olho na briga pelas vagas na Libertadores da América e o "Deus nos acuda" lá no lado debaixo da tabela na luta para não cair para a segundona. O Cruzeiro ainda tem pretensões de atrapalhar a festa do São Paulo, acho isso pouco provável tendo em vista a excelente campanha do tricolor paulista nesse Brasileiro. Já Santos, Botafogo, Grêmio, Vasco, Palmeiras e Fluminense vão se "estapear" até a última rodada pela treceira vaga na Libertadores. Posso estar errado, mas entendo que dos times citados o mais preparado e que abocanhará a vaga é o Peixe de Luxa. Anotem isso e me cobrem depois.

O descenso será uma disputa a parte e com grandes emoções. Temos o resignado e quase rebaixado América ocupando a última colocação, mas ainda há três vagas para a segundona, quem se habilita? Pretendentes não faltam, tem time competindo para ver quem faz campanha mais horrorosa que o outro. O Juventude parece que cansou de ficar no meio da tabela (ver campeonatos anteriores) e só não é pior que o América. O Náutico parece que ganhou uma sobrevida (venceu as últimas três rodadas), mas ainda aparece entre os "premiados" para disputar a série B no ano que vem. O Paraná, do artilheiro Josiel, é o quarto da lista que configura a zona de rebaixamento, mas a diferença do clube paranaense em 17º para o 11º Figueirense (já na posição que classifica para a Sul-Americana) é de apenas 3 pontos. Haja emoção!

Nesse embolo respirando para fugir da degola estão o Corinthians e o Flamengo. Faltando 12 rodadas para o final é cedo pensar que os dois clubes com maior torcida do país possam amargar um 2º divisão. No entanto, a ameaça é real. O alvi-negro do Parque São Jorge, à exemplo do clube da Gávea, soma apenas 33 pontos e está a apenas 2 pontos do seleto grupinho que ruma para série B. Tenho quase certeza que nenhum dos dois cairá para a divisão de acesso, pois há equipes com elencos bem mais fracos. Entretanto, acredito que corintianos e flamenguistas esperam emocionar-s na briga por títulos e não para evitar o descenso. Mudanças são necessárias para que esses times retomem as glórias do passado. Contratações? CPIs? Cassação dos "Dualibs"? É viver para ver.

18.9.07

Especial Champions League 2007/08 - Grupo D

Grupo D - Milan, Celtic, Benfica e Shakhtar


Milan
Experiência e competência


Se pegarmos o time-base do Milan, de Dida; Oddo, Nesta, Maldini e Jankulovski; Pirlo, Gattuso, Seedorf e Kaká; Inzaghi (Gilardino) e Ronaldo, teremos a impressionante média de 33 anos! Criticada por muitos, mas ratificada pelos resultados dentro de campo, a experiência e a tarimba dentro do clube rossoneri é incontestável e vencedora. Desde 1990, foram sete finais de Champions League e quatro conquistas. Essa fase vencedora pode ser personificada em um nome: Paolo Madini, no clube milanês desde a temporada 1985/1986, e que provavelmente disputa sua última Champions. E nada melhor para o Capitano do que mais uma excelente campanha do Milan no torneio continental para fechar esse ciclo vencedor com chave de ouro.

Mesmo de postura defensiva montada pelo ainda contestado técnico Carlo Ancelotti, o Milan é extremamente letal quando tem a posse de bola. O catenaccio formado por Oddo, Nesta, Maldini e Gattuso dá a tão sonhada estabilidade defensiva que Ancelotti preza. O meio é bem servido, com a eterna vigilância de "il Rino" Gattuso, o auxílio e os milimétricos passes e faltas de Pirlo, a cadência de Seedorf e as arrancadas fulminantes de Kaká, que por vezes se torna o segundo atacante, quando Ancelotti opta por escalar apenas um atacante de ofício. Além da estrela de Pippo Inzaghi - o atacante fez os gols que garantiram o título da temporada passada - o elenco ainda conta com um Gilardino que ainda busca o bom futebol dos tempos de Parma e com Ronaldo Fenômeno, que também busca no Milan a glória de outros tempos. A contratação de Alexandre Pato (mesmo que contando com o jogador efetivamente só a partir de janeiro) dá uma opção de velocidade e habilidade ao ataque rossoneri, posto este carente na equipe. O atual campeão da competição entra nessa Champions com status de um dos favoritos, mas os poucos reforços na janela de tranferências no mercado europeu podem mostrar uma grande deficiência na equipe: a falta de um elenco numeroso e de qualidade, que reponha as principais peças, principalmente numa eventual falta de Kaká, principal jogador da equipe. Na campanha campeã de 2006/07, Kaká foi decisivo, principalmente nas partidas contra o Celtic e Manchester United, onde os gols do meia-atacante brasileiro foram decisivos. Por isso, jogadores como Seedorf, Ronaldo e Pirlo precisam chamar mais a reponsabilidade, para "descentralizar" o jogo.

Associazione Calcio Milan SpA
Status: Favorito
Melhor resultado na UCL: 7 vezes campeão (
1962/63, 1968/69, 1988/89, 1989/90, 1993/94, 2002/03, 2006/07)
Ele é o cara! Cotado como favorito para a eleição de melhor jogador do mundo deste ano, Kaká vive a melhor fase da carreira. Foi eleito o melhor jogador da última Champions , da qual foi o artilheiro, com 10 gols. Hoje, o Milan é ele e mais dez.
Olho nele! Ronaldo. Se entrar em forma rapidamente, ganha fácil uma vaga no ataque rossonero. Está mais magro e mais motivado para recuperar seus tempos de glória, após o fiasco na Copa do Mundo de 2006.
Pontos fortes: O meio campo do Milan combina características distintas: A pegada de Gattuso, a precisão de Pirlo, a força e cadência de Seedorf, mais o talento de Kaká. O entrosamento do time também é arma forte.
Pontos fracos: A média alta da faixa etária da equipe pode complicar. Mesmo com o avanço na preparação física, jogadores mais velhos estão mais expostos a contusões, principalmente as de ordem muscular. Além disso, o elenco não é completo em vários setores, como o gol, por exemplo.

Celtic
Tentando voltar as cabeças

Data de 1967 o único título europeu dos Bhoys. Mesmo não tendo a força de 30 anos atrás, não é tarefa difícil para o Celtic classificar-se para as oitavas. Todos se lembram do jogo duríssimo frente ao Milan, válido pelas oitavas-de-final da temporada passada, onde os rossoneris só conseguiram a classificação na prorrogação, após duríssimas partidas. É muito forte jogando no Celtic Park, mas não costuma ser um visitante que incomoda. Mesmo assim, leva vantagem para se classificar na segunda colocação do Grupo D. Na temporada passada, o Benfica não foi páreo para o Celtic, pois os Bhoys classificaram-se dois pontos a frente dos encarnados, num grupo que tinha ainda Manchester e Copenhagen. No time desta temporada, a maior referência ainda é o japonês Shunsuke Nakamura. O meia, que atua há três temporadas pelo Celtic, é o principal articulador da equipe. Além de armar, é um exímio cobrador de bolas paradas. Sua inteligência será decisiva para liderar os Bhoys rumo às oitavas. Para auxiliá-lo na armação, os escoceses trouxeram o meia Massimo Donati, da Atalanta, que tentara dividir algumas das grandes reponsabilidades com Nakamura. O ataque conta com nomes experientes como Maciej Zurawski, que atualmente não vive uma fase tão boa, mas é sempre perigoso; o grandalhão Vennegoor of Hesselink, sempre fixo na área e perigoso na bola aérea, além do rápido McGeady, de apenas 21 anos, mas figurinha carimbada na equipe. É visto com muito carinho, pois é prata-da-casa.

Celtic Football Club
Status:
Boas chances de classificação
Melhor resultado na UCL: Campeão em 1967
Ele é o cara! O japonês Nakamura é o maestro da equipe. Fez dois gols na Champions passada. Cobra bem faltas, é rapido e sabe cadenciar o jogo.
Olho nele! O jovem Aiden McGeady, de 21 anos é um excelente winger. Cai pelas pontas e de vez em quando, marca seus golzinhos. Apesar de ser nascido em Glasgow, os seus traços irlandeses (algo muito comum nas tradições do Celtic) o levaram a optar pela seleção irlandesa.
Pontos fortes: Em casa, faz o típico jogo britânico: marca forte e alça bolas na área. Mas joga com a bola no chão, quando necessário.
Pontos fracos: Não costuma ser um bom visitante. Na temporada 2006/07, quase perdeu a classificação ao ser derrotado pelo frágil FC Copenhagen na Dinamarca. A sorte dos Bhoys é que o seu concorrente direto, o Benfica, também perdeu para o Man United.

Benfica
Encarnados ainda sem cor

O Benfica atravessa um grande processo de reformulação de seu elenco. Contratações jovens, como Di Maria, Adu, Coentrão e Cardozo mesclados com alguns nomes experientes, como o do goleiro Butt, são os ingredientes desse grande caldeirão encarnado. A filosofia da comissão técnica também mudou recentemente, com a contratação de José Camacho em lugar de Fernando Santos. Esses elementos podem pesar negativamente para o Benfica, que não terá tempo de entrosar a equipe adequadamente para uma competição de alto nível, como é a Champions. Outra grande baixa é a perda de Simão, grande ídolo da história recente do Benfica. Com isso, o experiente Rui Costa terá a missão de armar as jogadas de ataque do time, mesmo não tendo o fôlego de outrora e possuindo características diferentes das de Simão. Um dos bons setores da equipe é a defesa, que conta com o brasileiro Luisão, em grande fase, aliado a juventude do também brasileiro David Luiz, contratado em definitivonesta temporada. Para sonhar com a próxima fase, o Benfica precisará se encontrar rapidamente e não poderá tropeçar para times como o Shakhtar, o grande fiel da balança desse grupo, e arrancar bons resultados na Escócia e na Itália, além de fazer bem a lição de casa.

Sport Lisboa e Benfica
Status:
Boas chances de classificação
Melhor resultado na UCL: 2 vezes campeão (1961 e 1962)
Ele é o cara! De contrato novo, o volante e coringa Kostas Katsouranis foi um dos que permaneceram no Benfica após a reformulação. Guarda bem a defesa, tem bom passe e chega como elemento surpresa ao gol adversário. Peça importantíssima na equipe de Camacho.
Olho neles! Destaques do último Mundial sub-20, Freddy Adu e Ángel Di Maria tem pouca experiência, mas muita técnica. Podem se tornar fatores de desequilíbrio no time, quando a competição apertar.
Pontos fortes: Defesa bem postada e com bons nomes, como Luisão e David Luiz. Contratações como a de Edcarlos, Zoro e Fábio Coentrão dão várias opções ao setor.
Pontos fracos: O desentrosamento de boa parte da equipe pode atrapalhar na luta pela classificação.

Shakhtar
Um novo Chelsea?

Apoiado pelo seu mecenas, o ucraniano Rinat Akhmetov, o Shakhtar sacudiu o mercado europeu com contratações caríssimas. Nery Castillo e William vieram por quase 40 milhões de euros, Ilsinho e Lucarelli custaram juntos mais 20 milhões. E essa mescla de jovens revelações com jogadores mais experientes vai dar o que falar. Mesmo com a perda de Elano, jogador fundamental no esquema dos Miners, o Shakhtar será o grande fiel da balança nesse Grupo D. As contratações caríssimas e a qualidade dos jogadores de seu elenco fazem a torcida sonhar com a classificação, o que não é algo improvável, visto que Celtic e Benfica não são bichos-papões atualmente. Mas a instabilidade apresentada durante a pré-Champions, onde sofreu para eliminar o Red Bull Salzburg, mostram que talvez a equipe não tenha maturidade suficiente para se classificar. Mas Akhmetov se inspira no exemplo de Abramovitch para fazer da equipe, a médio prazo, uma das principais da Europa, pois capital é o que não falta. E uma Champions League é sempre uma ótima oportunidade de aparição e ascensão para um time como o Shakhtar.

футбольный клуб Шахтар Донецьк - Football Club Shakhtar Donetsk
Status:
Boas chances de classificação
Melhor resultado na UCL: Fase de grupos/1ª fase
Ele é o cara! Autor de mais de 100 gols pela Série A italiana, o atacante Cristiano Lucarelli chega como o grande matador da equipe. Capacidade e faro de gol não lhe faltam.
Olho nele! Após excelente Copa América, onde marcou quatro gols, o atacante Nery Castillo pode brilhar de vez em gramados europeus, após defender o Olimpiacos por sete anos.
Pontos fortes: Mircea Luceuscu deu mostras de montar um ataque perigoso, composto por William e Castillo pelas pontas e Lucarelli centralizado. Se bem entrosado, será o ponto alto da equipe.
Pontos fracos: Além da pouca experiência em Champions, tem poucos volantes defensivos. Isso pode sobrecarregar a defesa dos Miners.

17.9.07

Especial Champions League 2007/08 - Grupo C

Análise por Flávio Benvenuto

Grupo C -Real Madrid, Werder Bremen, Lazio e Olimpiacos

Real Madrid
Milhões em euros para voltar aos títulos

As saídas de David Beckham e Roberto Carlos poderiam marcar definitivamente o fim da “Era dos Galácticos”. Porém, os altos investimentos que aconteceram nesta temporada dão mostras que os cofres continuam abertos no Santiago Bernabeu e a badalação deve permanecer no clube merengue por muito tempo. No total, foram 119 milhões de euros em investimentos e dez contratações. Dos recém-chegados, Robben e Sneijder são os responsáveis em dar uma nova cara ao meio-campo do Real Madrid, valorizado o toque de bola e o embelezando o pragmático futebol apresentado no último ano. Se eles se firmarem como os cérebros pensantes do setor, os adversários terão trabalho quando enfrentarem esses craques.
O entrosamento pode ser o maior empecilho para o clube do treinador Bernd Schuster. As primeiras rodadas da Liga Espanhola mostraram que o time tem tudo para embalar, apesar da péssima pré-temporada. No entanto, a verdadeira pressão acontecerá na Champions League, onde o clube não faz uma boa campanha desde a temporada 2001/2002, quando levantou o caneco. A torcida está carente de um grande resultado e a diretoria mostrou que pretende voltar a dominar o continente europeu.
Um dos setores que está bastante fortalecido neste ano é o defensivo. Metzelder, Pepe e Heinze ajudarão Cannavaro e Sérgio Ramos a dar consistência a contestável defesa do clube. Apesar da evolução, organizada pelo então treinador Fábio Capello, o clube ainda sofre com a inconstância do setor e se as novas contratações se não virarem o jogo, no mínimo, darão uma nova cara para a até então temerosa zaga madrilenha.

No ataque, Robinho quer provar que tem futebol para definitivamente se firmar em solo espanhol. O jogador, apesar de seus dribles e jogadas desconcertantes, ainda não convenceu os mais ácidos críticos europeus. Ao lado do artilheiro Van Nistelrooy, serão armas poderosas nesta primeira fase da Liga dos Campeões. Os dois precisam repetir o futebol apresentado na reta de chegada da temporada passada, onde mostraram que tem estilo e muita bola para levar o clube de volta às grandes conquistas.

Real Madrid Club de Fútbol
Status: Se não pipocar, abocanha o décimo título
Melhor resultado na UCL: 9 vezes campeão (1955/56, 1956/57, 1957/58, 1958/59, 1959/60, 1965/66, 1997/98, 1999/00, 2001/02)
Ele é o cara: Robinho. Depois de um início ruim em solos europeus, o jogador resgatou o futebol que o tornou ídolo no Santos e mostrou que tem tudo para recolocar o Real na vitrine da Champions League.
Olho nele: Wesley Sneijder. Recém contratado por 27 milhões de euros, o meia é uma das mais promissoras estrelas do futebol holandês. Especialista em cobranças de faltas, fez história no Ajax e agora promete justificar os investimentos da diretoria no time merengue.
Pontos fortes: Com as chegadas de Robben e Sneijder, as bolas tende a chegarem mais redondas ao ataque merengue, o que fará com que Robinho e Nistelrooy mostrem todo seu poder de fogo, já que o ataque foi o principal setor do time na temporada passada.
Pontos fracos: O entrosamento pode ser um dos maiores obstáculos dos merengues, além dos seguidos problemas com a defesa, que ainda precisam ser resolvidos. A chegada dos novos contratados deverá ajudar.


Werder Bremen
Promessa que deve virar realidade

Os hanseáticos parecem não dar sorte na Liga dos Campões. Por diversas vezes, o clube alemão sempre cai em grupos poderosos, fazendo com que o clube não cresça na competição e, por muitas vezes, nem avançando para as oitavas-de-final. Por dois motivos, esse problema parece ter acabado nesta temporada: O primeiro é que, desta vez, os adversários não são tão poderosos como em outras edições; o segundo é a força do elenco, que mostrou uma grande evolução, dando mostras que será capaz de avançar as oitavas e quem sabe sonhar mais adiante.
Claro que a saída do matador Miroslav Klose é um ponto bastante negativo para o atual grupo. No entanto, o entrosamento do time comandado por Diego deve surpreender, ao menos nesta fase do torneio. Para ocupar o lugar deixado pelo artilheiro da última Copa do Mundo, a diretoria trabalhou rápido, trazendo o marfinense Boubacar Sanogo. Apesar de o jogador vir de uma fase ruim no Hamburgo, a aposta dos cartolas é que o atleta volte a balançar as redes, como fazia há duas temporadas. O treinador, Thomas Schaaf, acredita que ele e Rosenberg darão conta do recado, fazendo a torcida esquecer o quanto antes das atuações de Klose.
Mas a contratação mais impactante foi a do brasileiro Carlos Alberto. Apresentando um futebol irregular desde que abandonou o Porto, o meia chega com o status de negociação mais cara da história do clube, cerca de oito milhões de euros. Se jogar o futebol dos tempos da primeira passagem pelo Fluminense e do Porto, o atleta tem tudo para ser o “novo Diego” da temporada, como vem prometendo aos torcedores. A aposta parece bastante arriscada, mas Carlos Alberto promete arrebentar, levando o clube ao título alemão – tarefa bastante complicada pelo esquadrão montado pelo Bayern de Munique. Se ao menos Carlos Alberto reviver a parceria de sucesso dos tempos de futebol português, o craque tem tudo para levar o Werder longe na Champions League. Será que o raio cai mais uma vez no mesmo lugar? Difícil, principalmente pelas atuais circunstâncias.

Sport Verein Werder Bremen
Status:
Oitavas-de-final - degrau mais alto.
Melhor resultado na UCL: Quartas-de-final (1988/1989)
Ele é o cara: Diego. Sem sombras de dúvidas é nome e a cara do elenco hanseático. Eleito o melhor jogador da última Bundesliga, mostrou que continuará como peça-chave nesta temporada.
Olho nele: Markus Rosenberg. O jovem atacante sueco, revelação no Ajax, ganhou evidência com a saída de Klose. A torcida vê o jogador como a nova esperança do setor. Se jogar bem, manterá o bom nível dos ataques.
Pontos fortes: A velocidade e o bom toque de bola é uma das principais armas do clube. Se Carlos Alberto mostrar a que veio, essas características devem melhorara ainda mais.
Pontos fracos: Apesar do bom trabalho realizado por Naldo, no último ano, a defesa continua como o calcanhar-de-Aquiles dos hanseáticos. As laterais, principalmente a esquerda, pode ser a porta de entrada para os adversários.

Lazio
Terá que comer muito feijão para avançar

A parada promete ser dura para Lazio nesta temporada. O clube manteve a base quarta colocada do último italiano, porém, não investiu em reforços de peso. Com isso, aposta no entrosamento para, no mínimo, avançar para as oitavas-de-final. A tarefa parece bastante complicada e o ataque Tommaso Rocchi, única estrela da equipe, tem o peso e a responsabilidade de conduzir esse elenco no torneio mais importante da Europa.
Entre os reforços, os nomes mais badalados são o lateral argentino Lionel Scaloni e o meia Mourad Meghni. O atleta, de origem argelina, teve a mesma formação que o maior ídolo francês e por isso já é chamado por muitos de “Pequeno Zidane”. Para consolidar o apelido, o atacante terá que mostrar um bom futebol, provando assim que a fonte argelina é produtora de grandes talentos. Com um toque de bola refinado, o jogador de 23 anos ainda precisa jogar muita bola.

A defesa continua como um dos pontos portes deste grupo. Os marcadores mostraram qualidade durante o último Campeonato Italiano e o esquema formado por três volantes (Mutarelli, Mudingayi e Ledesma) também merece destaque. No entanto, faltam peças de reposição. Com isso, só um milagre leva a equipe italiana longe na Champions League.
O esquema tático implantado pelo treinador Delio Rossi, o 4-3-1-2, mudou a cara do time no último ano, resta saber se a consolidação deste esquema fará o milagre da classificação para este elenco. Se jogar muita bola, abocanha a segunda vaga do grupo, porém, deveria apostar suas fichas numa possível chance da Copa da Uefa – isso claro se terminar na terceira colocação do grupo.

Lazio Società Sportiva S.p.A.
Status:
Vaga para a taça da Uefa
Melhor resultado na UCL: Quartas-de-final (1999/2000)
Ele é o cara! Tommaso Rocchi que já foi a estrela solitária do clube na última temporada, continua como a referência da equipe. Bom jogador, o artilheiro é a grande arma da Lazio
Olho nele! Mourad Meghni. Parece ser a última chance para o argelino provar que não é uma eterna promessa. Talvez a carência de bons nomes na equipe, fará com que, definitivamente, o jogador deslanche.
Pontos fortes: Sem sombras de dúvidas, a defesa é ponto significativo do time. Quando resolvem jogar bola, os defensores constroem uma verdadeira muralha no setor defensivo. Destaque para o brasileiro Edmílson Cribari e para os volantes, que marcam forte.
Pontos fracos: O gol é um dos pesadelos dos torcedores, que não vêem um bom nome se firmar embaixo do travessão, após a aposentadoria de Peruzzi. Há diversas opções no elenco, porém, nenhuma que faça jus a camisa um da Lazio.

Olympiacos
Sem tradição e com pouco futebol

A surpreendente conquista grega na Eurocopa mostrou uma natural evolução do futebol no país. O Olympiacos é um dos reflexo dessa evolução, mas ainda está longe de brigar por igual com os grandes do futebol europeu. Atual tricampeão grego, se conquistar a terceira colocação do grupo e garantir uma vaguinha na Taça da Uefa já será uma imensa conquista.
Do elenco campeão grego no último ano, sobrou pouca gente. O time foi praticamente remontado e deve demorar algum tempo para chegar ao entrosamento ideal. Tempo que os adversário do Grupo C não estão dispostos a dar ao Olympiacos. Dentre os novos nomes que desembarcaram no clube de Pireus estão Darko Kovacevic, Lomana Lua-Lua e Raúl Bravo. São jogadores bastante badalados que prometem dar uma cara nova ao grupo e, quem sabe, muitas alegrias aos torcedores.
Se jogando em casa o clube alvirrubro é bastante temido, atuando fora de seus domínios a campanha costuma ser pífia, principalmente nas competições européias. Até hoje, o time nunca venceu fora de casa na Champions League. Em 31 jogos, são 24 derrotas e sete empates. Será que é nesta temporada que o clube alcança seu primeiro êxito?
Símbolo do Olympiakos, o sérvio Predrag Djordjevic segue como a maior referência da equipe. Craque nas bolas paradas, o meia tem um bom toque de bola e já está na história do clube como um dos seus maioresjogadores.

Olympiacos Sysdesmos Filathlon Peiraios
Status:
A Taça da Uefa é uma conquista
Melhor resultado na UCL: Quartas-de-final (1998/1999)
Ele é o cara! Predrag Djordjevic é a grande estrela da equipe. Mesmo nos tempos de Rivaldo, era ele quem comandava a equipe. Sem o brasileiro, reinará absoluto.
Olho nele! Raúl Bravo chega para solucionar um dos maiores problemas da última temporada, que são as investidas dos adversários pela esquerda. O espanhol já mostrou que tem futebol para solucionar essa pendenga.
Pontos fortes: Jogando em seus domínios, os gregos costumam engrossar para cima dos adversários. Pelo menos foi assim na última temporada e é nisso que apostam os torcedores para a disputa da Champions.
Pontos fracos: Apesar da boa renovação realizada no elenco, a falta de entrosamento tende a ser uma das pedras no sapato do clube. Com pouca tradição nas competições européias, não deve alçar vôos tão altos.

14.9.07

Especial Champions League 2007/08 - Grupo B

Grupo B - Chelsea, Valencia, Schalke 04 e Rosenborg


Chelsea
Europa: Sonho de Consumo

Todo ano é a mesma coisa. Roman Abramovich compra vários jogadores de destaque da temporada anterior a peso de ouro e monta uma verdadeira seleção que no limiar da competição, não consegue sequer alcançar a finalíssima da Champions League.
Segundo o treinador José Mourinho, o fiasco na Premier e na Champions ocorrera porque o clube não tinha peças de reposição suficientes que pudessem suprir a ausência de algum dos seus titulares. E convenhamos, Mourinho estava correto...
Ao contrário dos anos anteriores, o Chelsea decidiu modificar sua estratégia de contratações. Exceto pela contratação de Malouda (que custou 20 milhões de euros), nenhum outro reforço rendeu um investimento de altas cifras ou chegou com status de titular absoluto.
Na defesa, o Chelsea conta com três caras-novas: o zagueiro brasileiro Alex, que será uma ótima opção para a reserva da dupla formada por Ricardo Carvalho e Terry; o defensor israelense Ben Haim, que pelo Bolton marcou seus golzinhos; e o lateral Belletti, que saiu do ostracismo no Barcelona para brigar por uma vaga de titular com o português Paulo Ferreira.
No meio, a saída de Robben (que mais ficou no departamento médico do que no gramado) foi compensada pela vinda de Steve Sidwell, um dos principais nomes do surpreendente Reading na Premier 2006/2007 e, é claro, Florent Malouda, astro francês que chega com a missão de oferecer uma maior mobilidade ao meio-campo interligando o setor ao ataque.
Ataque este, que foi a decepção da última temporada. O inesperado mau rendimento de Shevchenko originou a contratação de uma nova opção para a posição: o matador Cláudio Pizarro, ex-Bayern de Munique. De quebra, o ucraniano até perdeu a titularidade na equipe para o velocista Wright-Phillips.
O único ponto de discórdia do Chelsea é a não-inscrição do meia Ballack para a fase inicial da Champions. Apesar de estar lesionado, muitos acreditam que o alemão conseguiria recuperar-se até as rodadas finais. Isso aumenta os rumores de que Ballack provavelmente fosse para o Real Madrid no meio do ano, quando as janelas de transferência voltarem a abrir.
Mesmo sem Ballack, quem não gostaria de ter tantas opções? Com uma equipe recheada de grandes nomes e com um ótimo técnico no banco é impossível acreditar que o Chelsea não chegue, pelo menos, entre os quatro melhores da Europa.

Chelsea Football Club
Status: Favorito
Melhor resultado na UCL: Três vezes semi-finalista (2003/2004, 2005/2006 e 2006/2007)
Ele é o Cara! Mesmo com tantos craques, Didier Drogba tem posição cativa nos Blues. O marfinês que alia habilidade, raça e frieza é o verdadeiro homem-gol do time. Sem Drogba, os londrinos certamente perde sua referência ofensiva.
Olho nele! A chegada do nigeriano John Obi Mikel em 2006 foi conturbada e o volante quase foi parar em Manchester. Apesar de jovem (20 anos), sua boa marcação e desenvoltura credenciaram-no a desbancar Makelele e garantir um lugar entre os 11.
Pontos fortes: A defesa comandada pelo excepcional arqueiro Petr Cech é extremamente segura e toma poucos gols. Normalmente consegue impor seu ritmo de jogo lento e mantém a maior parte de posse da bola. Sua regularidade impressiona.
Pontos fracos: Falta um pouco de objetividade no meio-campo, já que em certos momentos o time peca pelo excesso de passes laterais. Entre os titulares, Drogba ainda não encontrou um parceiro a altura e a lateral-direita não inspira confiança.


Valencia
Finalmente, quero ser grande


Equipe do grupo que tem melhor retrospecto na Champions League, o Valencia mais uma vez manteve sua política de conservar suas principais estrelas, contratando atletas que sejam financeiramente acessíveis e possam melhorar o elenco.
As novidades começam na defesa. No gol, prevendo a aposentadoria do experiente Cañizares nesta temporada, a diretoria já trouxe um provável sucessor: Timo Hildebrand, ex-Stuttgart. Para o lugar do veterano Ayala, opções não faltam. Quique Sánchez Flores poderá usar a promessa Aléxis, o já rodado Ivan Helguera ou até o conhecido Caneira, que retorna de empréstimo do Sporting Lisboa.
Na frente, o grandalhão sérvio Zigic e o rápido Javier Arizmendi são boas alternativas para suprirem possíveis ausências dos titulares Morientes ou David Villa, enquanto que, no meio-campo, o jovem português Manuel Fernandes poderá ter algumas oportunidades.
Mesmo com tantas renovações, não restam dúvidas que o poderio ofensivo dos Ches depende da precisão de David Silva e da habilidade incontestável de Joaquín, já que ambos formam a dupla de meias-ofensivos da Seleção Espanhola. Se tiverem mais constância, juntos poderão levar os Xotos a uma posição muito mais respeitável.
Afinal, não há melhor ocasião para o Valencia mostrar que é uma grande equipe. Com bons atletas em todos os setores, a equipe tem um elenco capaz de surpreender qualquer favorito. Nesta fase, tem tudo para classificar-se ao lado do Chelsea. Basta não amarelar no meio do caminho, o que, convenhamos, não é tão difícil assim...

Valencia Clúb de Fútbol
Status:
Pode surpreender
Melhor resultado na UCL: Duas vezes vice-campeão (1999/2000 e 2000/01)
Ele é o cara! David Villa é o astro-mor dos valencistas. Oportunista e bom finalizador (tanto com a cabeça quanto com os pés), Villa pode atuar mais enfiado como centroavante ou vindo de trás tabelando com seus companheiros. Completo.
Olho nele! Grande revelação espanhola, David Silva mescla um futebol vertical com muita rapidez e habilidade. Tem um passe refinado e chuta bem de fora da área. Guardado as suas proporções, lembra um Kaká canhoto.
Pontos fortes: O time atua muito bem em seus domínios e a torcida faz do Estádio Mestalla um verdadeiro caldeirão. O elenco tem boas peças de reposição, conseguindo unir juventude e experiência. Os David’s podem desequilibrar...
Pontos fracos: Falta equilíbrio emocional, já que a equipe normalmente “pipoca” nos momentos decisivos. Há momentos em que subidas do ala Miguel podem abrir uma avenida do lado direito da defesa. Joaquín é muito instável.

Schalke
Azuis-reais querem a elite

A perda do título da Bundesliga há poucas rodadas do fim frustrou as expectativas de todos os torcedores do Schalke 04, que não vêem seu time ganhar um campeonato nacional há mais de 55 anos!
A partir daí, um dos gêmeos Altintop, Hamit, recebeu uma proposta do Bayern de Munique e foi embora. Depois foi a vez do meia brasileiro Lincoln abandonar o clube e seguir para o Galatasaray, deixando os Azuis Reais carentes de seu principal articulador.
A ausência de Hamit foi facilmente contornada, quando o clube trouxe o alemão Jermaine Jones, destaque no Eintracht Frankfurt e o uruguaio Carlos Grossman, ex-Danubio. Mas na armação...
Stephen Appiah chegou a ser sondado pela diretoria para ocupar a vaga de Lincoln, mas o ganês preferiu permanecer em seu atual clube, o Fenerbahçe. A recusa de Appiah obrigou o time de Gelsenkirchen a trazer um nome menos badalado. O escolhido? Ivan Rakitic, jovem croata de apenas 19 anos de idade. Só resta saber se o ex-meia do Basel terá maturidade para assumir esta condição tão fundamental.
No resto, o time de Mirko Slomka permanece o mesmo. Uma forte defesa liderada por Bordon e Krstajic que apesar de ter um meio-campo pegador, depende muito das jogadas de linha de fundo produzidas por seus alas.
Ruim, o time não é. Mas o Schalke 04 deu azar em cair num grupo com dois adversários tão fortes e dificilmente o clube conseguirá a inédita vaga na fase dos mata-matas. Mesmo assim, a vaga na Copa da Uefa será bem-vinda e caso isso ocorra, os Azuis Reais poderão repetir o caneco de 2004/2005.

Fussball Club Gelsenkirchen-Schalke 04
Status:
Candidato a vaga na Copa da Uefa
Melhor resultado na UCL: Três participações, três vezes na fase de grupos.
Ele é o cara! Pode até parecer brincadeira, mas o zagueiro Bordon faz parte da espinha dorsal da equipe. Líder da defesa, diferentemente dos tempos de Tricolor, Bordon tornou-se um atleta muito mais técnico, que faz menos faltas e até sai jogando.
Olho nele! Em sua primeira temporada como profissional, Manuel Neuer barrou o outrora titular Frank Rost e de quebra, foi eleito o melhor goleiro da Bundesliga. Com 21 anos, Neuer tenta mostrar que o prêmio não foi mera questão de sorte.
Pontos fortes: A dupla de zaga transmite muita confiança ao resto da equipe. O time, de uma forma geral, marca muito e dificulta ataques feitos pelo meio. Rafinha e Pander são laterais muito habilidosos e podem servir como elemento-surpresa.
Pontos fracos: Apesar de experiente, a dupla de ataque (Kuranyi-Asamoah) é muito pesada e não se encontra numa grande fase. Falta um meia cerebral que possa exercer o papel de Lincoln. O time titular tem muitos jogadores jovens.

Rosenborg
Participação fria?

Outrora hegemônico, pelo menos na Noruega - quando conquistou 14 títulos nacionais em 15 temporadas - a fase do Rosenborg não é das melhores. Afinal, realizados 50% dos jogos do Campeonato Norurguês , o time ocupa a vexaminosa quinta colocação, tendo oito pontos de desvantagem em relação ao líder Brann.
A sorte dos noruegueses é que o treinador Knut Tørum, apesar de jovem (36 anos) é muito estrategista e pode complicar partidas teoricamente fáceis. O detalhe é que Tørum assumiu a posição por acaso, já que seu antecessor Per-Mathias Høgmo teve problemas de saúde e, às pressas, teve que abandonar a equipe. Knut agradou tanto como interino que foi efetivado no fim do campeonato.
A aposta do Rosenborg resume-se ao poder individual de alguns jogadores. O quarteto de frente formado pelo ganes Alexander Tettey, pelo marfinês Didier Ya Konan, pelo burkino Youssouf Koné e liderado pelo experiente norueguês Steffen Iversen constituem a única ameaça real da equipe de Trondheim.
Apesar de ser o time mais frágil e principal candidato a lanterna, o Rosenborg pode ser o fiel da balança. Explica-se: o Lerkendal Stadion, local de mando de seus jogos, é aquele que se localiza mais ao norte da Europa e não raro os times jogam em gramados cheios de neve. Vários clubes europeus tropeçam lá.
Numa chave tão complicada, perder pontos para o time norueguês poderá fazer a diferença e decidir a classificação final.

Rosenborg Ballklub
Status: Briga por uma vaga na Copa da Uefa
Melhor resultado na UCL: Uma vez nas quartas-de-finais (1996/1997)
Ele é o cara! Steffen Iversen é o atleta mais experiente do clube e acumula, inclusive, passagens nos ingleses Tottenham e no Wolverhampton. Municia a dupla de ataque com belos lançamentos e seus chutes de longa distância são perigosos.
Olho nele! Per Ciljan Skjelbred é um meia muito técnico que cai pelos flancos e pega muito bem na bola. O armador já foi procurado pelo Liverpool, mas Skjelbred decidiu permanecer na Noruega para aperfeiçoar alguns fundamentos. Por enquanto...
Pontos fortes: O time tem um belo aproveitamento de pontos jogando em seus domínios. A experiência de atletas, como Iversen, Riseth e Strand passa tranqüilidade a equipe. O ataque africano formado por Konan e Youssouf Koné merece atenção.
Pontos fracos: O goleiro Lars Hirschfeld não transmite segurança a sua defesa que já é frágil. Atletas mais velhos estão em decadência e se lesionam com freqüência. A marcação exercida pelos Troillongan é fraca, ou seja, goleadas à vista.

11.9.07

Especial Champions League 2007/08 - Grupo A





Definidos os grupos da fase de grupos da UEFA Champions League, já é possível traçar alguns prognósticos a respeito da maior competição de clubes do mundo. E a partir de hoje, o Opinião FC vai traçar as nuances que envolvem as 32 equipes que chegaram até aqui. A "bolha" financeira que cresceu demais na Europa fez com que algumas equipes montassem verdadeiros esquadrões com o intuito de se chegar ao posto de maior prestígio dentro do futebol europeu. E todos desejam estar em Moscou, no dia 21 de maio de 2008. Quem sobreviverá?

Grupo A - Liverpool, Porto, Besiktas e Olympique de Marseille

Liverpool
Copeiro e Compacto


Terceiro maior campeão do torneio, sendo que chegou a final em dois dos últimos três torneios. Apenas por sua tradição, o Liverpool já impõe respeito quando se fala de Champions League. Mesmo após o bom vice-campeonato conquistado na temporada passada, o Liverpool quer sentir novamente o gosto de ser o melhor da Europa. E para isso, os Reds não economizaram em reforços. Conhecidos por sua defesa compacta, o Liverpool resolveu investir na sua linha de frente para tornar-se um time compacto e eficiente no ataque. As contratações de Babel, Voronin e Torres mostram que o elenco da equipe de Anfield está muito mais forte do que em relação a temporada passada. Mesmo com tantos bons jogadores chegando, a principal referência e estrela do time é Steven Gerrard. O capitão e ídolo do Liverpool tem como principais trunfos o seu bom auxílio na marcação, além da chegada com qualidade ao ataque, através de passes milimétricos e chutes precisos da entrada da área.

Outro ponto a ser destacado na equipe é a sua forte defesa, composta por Agger, Finnan e Carragher. Esse trio é eficiente demais na marcação, fazendo com que o miolo da zaga do Liverpool seja difícil de ser rompido. Fechando a lateral, há a opção de Arbeloa, mais eficiente na marcação mais deficiente no apoio ou o vigor físico de John Arne Riise, que fecha bem pelo lado esquerdo e chega com constância ao ataque. Outro grande trunfo da equipe são a qualidade e a variedade de seus meio-campistas. O técnico Rafa Benítez tem a sua disposição jogadores de estilo "mordedores", como Sissoko e Mascherano, ambos jovens e que protegem a defesa com muita eficiência. Tem também volantes que sabem sair jogando e fazem com louvor o "elemento-surpresa" no ataque, como são os casos de Xabi Alonso e do recém-contratado Lucas. Por fim, possui jogadores que conseguem cadenciar mais o jogo e sabem fluir com rapidez quando é preciso, como é o caso de Pennant e Benayoun. O rápido Kuyt e o matador Torres fecham as peças dessa equipe, que ainda tem no banco jogadores como Crouch, Voronin, Hyypia, Fábio Aurélio e pode jogar com a utilização de Babel como quarto homem de meio-campo ou como um dos três atacantes. O conjunto é a grande aposta de Rafa Benítez para levantar mais uma taça. Dentro do Grupo, é o ultra-favorito para se classificar na primeira colocação.

Liverpool Football Club
Status:
Favorito
Melhor resultado na UCL: Cinco vezes campeão (1976/77, 1977/78, 1980/81, 1983/84 e 2004/05)
Ele é o Cara! Steven Gerrard, o líder da equipe. Defende e ataca com extrema eficiência, tornando-se o termômetro da equipe.
Olho nele: Vindo sem tantas expectativas do West Ham, o volante Mascherano caiu como uma luva no esquema de Benítez. Faltava ao time um jogador mordedor como ele, ao melhor estilo "Gattuso", no que diz respeito a forte marcação. tem tudo para se firmar como peça importante da equipe.
Pontos Fortes: A variedade de opções do conjunto. Rafa Benítez tem diversas opções para montar a equipe em todas as posições.
Pontos Fracos: Como não tem laterais tão incisivos no ataque, muitas vezes o Liverpool tem a tendência de afunilar o jogo pelo meio. Benitez tenta corrigir isso recuando Gerrard e abrindo Pennant, Babel ou Kuyt pelos flancos do campo.

Porto
Portugal não basta mais

O Porto está cansado de provar sua hegemonia dentro do Campeonato Luso. E quer repetir 2003/04, quando a equipe montada por Mourinho chegou ao topo. E para tentar repetir o feito, Jesualdo Ferreira trouxe muitos jogadores promissores, que podem estourar durante a competição. O principal nome que chegou para acabar com a instabilidade do ataque é o do argentino Ernesto Farias. Se bem servido pelo meio-campo dos Dragões, pode vir a ser o homem-gol que o Porto tanto precisa para se tornar mais forte. A meia do Porto guarda seus grandes tesouros. A imprevisibilidade de Ricardo Quaresma aliada ao desdobramento em ser eficiente na frente e atrás de Lucho González são as duas maiores armas dos Dragões. Quaresma é jovem e caminha para ser um dos melhores jogadores do futebol luso, enquanto a experiência e a cadência de Lucho ditam o ritmo do time. Outras boas opções para o meio-campo são os recém-contratados Kazmierczak , Mariano González e Leandro Lima. A perda de Pepe, que dava grande estabilidade a zaga portista, tenta ser suprida com a vinda do jovem Stepanov. A exemplo do time campeão, essa equipe contra com algumas boas promessas, mas ainda precisa se firmar mais como conjunto para chegar longe nessa Champions League, mas tem plenas condições para se classificar como a segunda força do Grupo A.

Futebol Clube do Porto
Status:
Boas chances de classificação
Melhor resultado na UCL: Bicampeão (1986/87 e 2003/04)
Ele é o Cara! Lucho González. Defende, arma e marca gols. O grande faz-tudo da equipe, tentará liderar a equipe rumo a fase mata-mata
Olho nele: Quaresma, como dizem em Portugal, o "Harry Potter". Jogador de ótima técnica e imprevisível. Pode dar o diferencial e a velocidade que a equipe necessita.
Pontos Fortes: Tem um contra-ataque eficiente. O time conta com velocistas e habilidosos meias, como Quaresma e Leandro Lima, que dão muito mais fluidez e periculosidade ao contra-golpe da equipe.
Pontos Fracos: Precisa se "achar" na defesa e no comando de ataque. Stepanov e Farias precisam se adaptar rapidamente ao estilo de jogo da equipe.

Besiktas
Copa da UEFA na mira

Terceira força dentro do futebol turco, o Besitkas vem subindo de produção. Campeão da Copa da Turquia e vice-campeão nacional, a equipe é comandada pelo jovem técnico Ertugrul Saglam, de apenas 37 anos. Considerado uma promessa do futebol turco, Saglam tem a sua primeira chance em um grande clube turco. Foi ex-jogador do Besiktas, marcando 103 gols em 167 jogos. E vai usar desse bom histórico do clube para tentar levar os Black Eagles ao menos para a Copa da UEFA. Para isso, contará com os sul-americanos do elenco, os jogadores mais importantes e habilidosos do time. O grande líder e cérebro pensante desse time é o brasileiro Ricardinho (ex-Corinthians e Santos). O camisa 17 conseguiu se adaptar bem ao futebol turco e tenta seguir o caminho de Alex, principal jogador e ídolo do rival Fenerbahçe. O Besiktas ainda conta com o chileno Tello (com passagem pelo Sporting) e os brasileiros Márcio e Bobô. Bobô que alíás, é um dos principais jogadores do time, ao contrário de seus tempos de Corinthians. Na Turquia, tornou-se um atacante mais eficiente e letal, coisa que os corinthianos jamais imaginariam que acontecesse em outros tempos. A instabilidade do Marseille e o Porto tentando se encontrar fazem com que os torcedores sonhem com a equipe chegando até as oitavas, o que seria um grande feito para o Besiktas.

Besiktas Jimnastik Kulubu
Status: Pode chegar a Copa UEFA
Melhor resultado na UCL: 1896/87, eliminado nas quartas.
Ele é o Cara! Ricardinho, o "Rico Pasa" (General Rico). Após a frustrante passagem pelo Corinthians, encontrou seu melhor futebol na Turquia. É o grande maestro do time.
Olho nele: Bobô. Motivo de chacota quando atuava pelo Corinthians, o atacante de 22 anos conseguiu se firmar no comando de ataque do Besiktas. Foi o principal goleador da equipe na temporada passada, com 19 gols. Não é dotado de muita habilidade, mas está marcando os gols que a equipe precisa.
Pontos Fortes: Perdeu poucos jogadores da base vice-campeã. O entrosamento pode ser importante para as pretensões turcas.
Pontos Fracos: A inexperiência do técnico Saglam, que disputa a sua primeira Champions League da carreira.

Marseille
Na Champions, é maior que o Lyon

Mesmo com campanhas razoáveis ao longo dos últimos anos no cenário europeu, o Marseille é o time francês mais tradicional na Champions: Ganhou um campeonato e foi vice em outro. Mas hoje, o time não é nenhuma maravilha, mesmo quando falamos em futebol francês. E para completar, o OM perdeu seu principal jogador na última temporada. Ribéry deixou saudades e aumentou ainda mais a responsabilidade do jovem Samir Nasri. Principal articulador da equipe, o meia francês de apenas 20 anos já é apontado como um possível sucessor de Zidane. Mas o meia - de origem argelina assim como o craque Zidane - ainda precisa provar o seu valor, agora que foi alçado como o principal jogador da equipe. Outros bons jogadores formam a fileira do OM, como os atacantes Djibril Cissé e Mahamadou Niang. Ainda trouxe experientes peças, como o lateral Gael Givet e o meia Zenden. Ambos podem passar a tranquilidade necessária para que os franceses possam brigar com o Porto pela segunda vaga para a próxima fase. Para isso, precisa fazer bem a lição de casa, coisa que a equipe não tem feito nos últimos tempos.

Olympique de Marseille
Status: Boas chances de classificação
Melhor resultado na UCL: Campeão em 1992/93
Ele é o cara! Samir Nasri é habilidoso e preciso. Por isso, é o principal articulador da equipe. Niang e Cissé necessitam de boas atuações dele para marcarem gols.
Olho Nele: André Ayew, atacante de 18 anos. Filho do famoso ex-jogador Abedi Pelé, considerado o maior futebolista ganês de todos os tempos. Ayew foi recém-promovido ao time principal. Trata-se de um jogador rápido, arisco e que consegue arrematar bem com as duas pernas.
Pontos Fortes: Cissé e Zenden conhecem o Liverpool muito bem. Suas expreriências em Anfield podem ajudar o OM a arrancar pontos importantes dos Reds nos confrontos diretos.
Pontos Fracos: Defesa muito vulnerável, principalmente pelo lado esquerdo. O lateral Taiwo apoia muito bem e marca gols, mas esquece da vida e suas costas se transformam em verdadeiras avenidas aos rivais.

7.9.07

Garimpando talentos

Giovanni dos Santos é a nova menina dos olhos do Barcelona. Será que o mexicano terá uma trajetória semelhante a de Messi?

Não é segredo para ninguém que o assedio dos grandes clubes a talentos promissores se dá cada vez mais cedo. E quem mais sofre são os clubes latino-americanos, que mal vêem os jogadores atuando pelos clubes locais. Um bom exemplo do êxito em trazer jogadores "teens" para suas fileiras é o Barcelona. Depois de garimpar o argentino Lionel Messi, que foi para a Catalunha com apenas 13 anos e que estourou para o mundo do futebol após passar por todas as categorias de base do Barça, a grande promessa da vez é o mexicano Giovanni dos Santos. O meia-atacante, de 18 anos e filho do brasileiro Zizinho (que atuou boa parte da carreira no futebol mexicano), chegou ao blaugranas com apenas 12 anos, após ter se destacado em um torneio na Europa representando a equipe de Monterrey, onde estava um olheiro do clube catalão. Desde então, sua evolução foi notória.

Giovanni apareceu com brilho no mundo do futebol durante o Mundial Sub-17 de 2005, disputado no Peru. Destaque daquela equipe ao lado do atacante Carlos Vela, ele foi um dos trunfos da seleção mexicana que derrotou o Brasil do meia Anderson (atualmente no Manchester United) e Marcelo (atualmente no Real Madrid) na final por 3 a 0. No Mundial Sub-20 deste ano, jogado no Canadá, Giovanni anotou três gols e o México chegou até as quartas-de-final, onde foi eliminado ante os argentinos, que venceriam o torneio. Trata-se de um jogador muito habilidoso, rápido e que consegue chutar forte comos dois pés. Muitos gostam de compará-lo a Ronaldinho e consideram-no um possível sucessor do craque dentuço, pelo fato dos dois jogadores possuírem algmas características físicas e técnicas em comum.

Desde então, o mundo do futebol criou grande expectativa para o aproveitamento dele na equipe principal, a exemplo do que aconteceu com Messi. E mesmo nesse Barça estelar de 2007/2008, de Henry, Ronaldinho, Messi e Eto'o, Giovanni foi um dos destaques da pré-temporada do Barcelona, com quatro gols. Já estreou pela equipe principal do Barça pela Liga Espanhola e também foi convocado por Hugo Sánchez para a seleção principal do México para os amistosos diante do Panamá e o Brasil, onde fará a sua estréia.

Bom para o Barcelona, que vê nascer mais um jogador com potencial. Mas os clubes europeus estão indo buscar jogadores cada vez mais jovens, na nascente. Prova disso é que o irmão mais novo de Giovanni, Jonathan, já está nas categorias de base do Barcelona. O risco é de não podermos ver os grandes craques jogando pelos nossos gramados, porque no Brasil, os craques também saem cada vez mais precocemente.

4.9.07

Vale a pena conferir


Tiago marca mais um gol contra o Ceará:
O goleiro da Portuguesa já acumula 6 tentos na Série B

Estamos apenas na 23ª rodada. Mesmo assim, o Campeonato Brasileiro já aparece numa situação praticamente definida. São Paulo e Cruzeiro lideram a competição com sobras. A campanha de ambos atingiu um patamar tão estável que, com exceção feita ao Vasco, dificilmente haverá algum clube capaz de alcançá-los na luta pelo título.
Entretanto, na Segundona Nacional o torneio pega fogo. Até o Criciúma que reinava soberano na competição, entrou em seu período de “vacas magras” e acumulou quase um mês (5 jogos consecutivos) sem vencer...
Isso faz com que o torneio torne-se mais aberto, mais competitivo, menos enfadonho. Cada partida reserva uma particularidade especial capaz de mudar qualquer prognóstico pré-estabelecido. Com uma boa média de gols (3,02 gols/jogo) para os padrões do futebol retrancado de hoje, até mesmo, o próprio Galvão Bueno diria: “Haja emoção!”
Um dado estatístico que mostra muito bem esse equilíbrio é o fato de haverem poucas vitórias de visitantes na competição. Das 220 pelejas realizadas, apenas 36 terminaram com o triunfo dos clubes que jogavam fora de casa (16,36%). Ou seja, para um time se dar bem na Série B ele precisa dominar àquela velha retórica: garantir os três pontos dentro de seus domínios e tentar aproveitar ao máximo quando joga fora ganhando ao menos um pontinho.
Não à toa, das três equipes que ainda não venceram longe de seu estádio, duas (Ituano e Santa Cruz) estão na zona de rebaixamento. Da mesma forma, os visitantes menos desejáveis (com três triunfos fora de casa) ocupam a parte superior da classificação geral. Casos do Coritiba (2º colocado), Brasiliense (3º), Marília (4º) e CRB (6º).
Certamente muito deste equilíbrio deve-se a ausência de um grande clube do cenário nacional no campeonato, algo que já aconteceu quando Palmeiras, Grêmio, Botafogo, Atlético-MG e Fluminense disputaram a competição.
Mas não importa. Engana-se quem acredita que na Série B só temos a presença de pernas-de-pau. O líder Criciúma conta com a dupla de ataque sensação formada por Kelson e Maurício, além da habilidade do meia Marco Antônio (ex-São Paulo). Já o vice-líder Coritiba traz em seu elenco nomes conhecidos como o do goleiro Edson Bastos (ex-Figueirense), do volante Douglas Silva (ex-Flamengo) e do meia Cáico (ex-Juventude).
E não pára por aí não. Se garimparmos bem, acharemos outros bons atletas que poderiam estar em clubes medianos do Brasileirão. Índio, atacante do Vitória, Fabiano Gadelha, meia do Marília e Tiago, goleiro-artilheiro da Portuguesa, certamente entrariam nesta lista.
Até mesmo veteranos atletas, outrora disputadíssimos, aparecem na Segundona. Afinal, quem não se lembra do trio Sorato, Edílson e Jackson, hoje no Vitória? Ou de Marcelo Ramos (Santa Cruz), Ânderson Lima (Coritiba), Iranildo e Júnior Baiano (ambos Brasiliense), Hernani (Marília) e Sílvio Criciúma (Criciúma)?
Enfim, creio que estes e outros motivos podem fazer com que uma partida da Segundona seja uma opção alternativa diante da mesmice presente na Série A.

1.9.07

Dá para comemorar?

Em meio a maior e mais turbulenta crise de seus 97 anos de existência, o Sport Club Corinthians Paulista completa mais um ano de existência. Fundado sob a luz de um poste a gás, em 1910, os pioneiros jamais imaginariam que neste ano de 2007, o clube estivesse, literalmente, com pouco brilho. Então, dá para comemorar algo?

O que se viu nos últimos anos no Corinthians após a famigerada parceria com a MSI foram mais decepções do que motivos para se vibrar. Do posto de um dos principais times (tecnicamente falando) do Brasil, o Corinthians se vê reduzido a uma grande vitrine de atletas e de pessoas que usam o nome e a história do clube de Pq. São Jorge para lucrar, sem respeito nenhum pela entidade. Após a derrocada na Libertadores de 2006, a lua-de-mel com a MSI acabou e foi onde a coisa começou a desandar. Contratações duvidosas, trazidas por empresários ainda mais duvidosos; briga interna pelo comando do clube; o nome do clube envolvido em operações suspeitas, fazendo com que o destaque do time saísse da editoria de esportes para ir parar nas editorias policiais; torcedores protestando (muitas vezes irracionalmente), mostrando a falta de comando em todas as instâncias do clube, além da dança de técnicos e da falta de tranquilidade para se efetuar um trabalho sério, dentro da nova realidade financeira do clube. Enumerando as principais presepadas de 2007:
  1. O caso de jogadores que usaram do clube como trampolim, como os casos de Christian (largado no futebol gaúcho) e Pedro Silva (enxotado por Luxemburgo do Santos), entre outros.
  2. O "interminável" caso Nilmar, que acabou com o jogador conseguindo se desvincular do clube a custo zero, sendo que o Timão deve arcar com uma dívida de mais de R$ 20 milhões, por conta da compra de seu passe junto ao Lyon.
  3. A bagunça administrativa em todas as instâncias do clube, desde a presidência até o departamento de futebol ( hoje o time tem um presidente interino, um diretor de futebol tapa-buraco e um técnico interino).
  4. A desvalorização de parte do prestígio do clube pelos profissionais do futebol, visto que jogadores e técnicos com "alguma fama" se recusam ou relegam a segundo plano fazer parte do clube, fato esse inimaginável até pouco tempo atrás.
  5. Fritura de promessas: jogadores que pintam como futuros bons jogadores (casos de Willian, Ratinho e Fágner) saem cada vez mais cedo do Brasil, muitos por medo de ficarem no clube.

A doença é grave e o diagnóstico é preocupante, pois o time não tem um elenco tão medíocre em vista de outros nesse Brasileirão, mas é sério candidato ao descenso, pois o clube tornou-se uma bomba prestes a explodir. E as pessoas que estão no comando parecem fechar os olhos a essa crise, a mais grave e sem precedentes na história do clube. Os corinthianos têm de ter noção da grandeza do clube, mas devem se unir para não fazer algo quando for tarde.

É hora de gente nova, pensamentos inovadores e muita consciência. Que Dualib caia, mas que gente boa e que deseja o bem do Corinthians toque esse barco, de águas tão turbulentas, e leve o clube ao lugar que merece.