7.9.09

Especial Champions League 2009/10 - Grupo A

Uma Champions League diferente. Com o aumento de oportunidades para as equipes dos campeonatos nacionais medianos da Europa, a edição 2009/10 do principal torneio europeu terá além das poderosas equipes de costume, muitas caras novas e equipes desconhecidas de boa parte do público. Nesta fase de grupos, serão nada menos que oito campeões nacionais estreando: Wolfsburg (Alemanha), Rubin Kazan (Rússia), AZ Alkmaar (Holanda), Standard Liège (Bélgica), Unirea Urziceni (Romênia), Debreceni (Hungria), Zurich (Suiça) e Apoel (Chipre) – os três últimos vieram das fases preliminares da Champions.

E essa nova mescla dá o tom desta edição 2009/10, onde a grande vedete é o futebol bonito do atual campeão Barcelona. Para deter os catalães, temos as contratações milionárias do Real Madrid e a força já tradicional dos ingleses nas últimas edições. Clubes italianos e alemães buscam o espaço de outrora, já que nas últimas disputas, os representantes locais acabaram perdendo um pouco de espaço nas partidas decisivas. Todos esses ingredientes serão mostrados neste preview dos 32 clubes participantes desta fase, em análise que já é tradicional no Opinião FC.


Bayern de Munique
Reformulação e esperança em “Robbery”


Após ser eliminados com facilidade na última Champions League, quando foi batido pelo Barcelona, e perder Bundesliga de 2008/09 para o então modesto Wolfsburg, o Bayern de Munique resolveu sair às compras e qualificar o elenco para esta temporada. O Bayern foi o quinto time que mais gastou durante a última janela européia de transferências – cerca de € 75 milhões - ao contratar os laterais Danijel Pranjic (ex-Heerenveen) e Edson Braafheid (ex-Twente), o bom e aplicado volante Anatoliy Tymoschuk (ex-Zenit), Alexander Baumjohann (ex- Borussia M’Gladbach), além dos atacantes Ivica Olic (ex-Hamburgo) e Mario Gomez (ex-Stuttgart). E ao apagar das luzes, aquela que veio a ser a mais cara e principal contratação do Bayern: o holandês Robben - que havia feito ótima pré-temporada com o Real Madrid, mas não era titular absoluto da equipe merengue. Além dos reforços, o polêmico técnico Louis Van Gaal volta a ter uma chance em um clube grande europeu, após sua saída do Barcelona em 2003. Em quatro anos à frente do AZ Alkmaar, mostrou sua capacidade ao levar a equipe como uma das prinicpais do país, culminando com a conquista titulo holandês em 2008/09, feito não alcançado pela equipe desde 1981.

Mesmo liderando tal reformulação, Van Gaal não perdeu sua veia polêmica, ao se indispor com o zagueiro e capitão do Brasil Lúcio, que mesmo campeão da Copa das Confederações não teve seu contrato renovado e acabou rumando para a Inter. Com todos os bons reforços, o Bayern começou irregularmente a Bundesliga, vagando atualmente pelo meio da tabela. Mas a vitória imponente diante do atual campeão Wolfsburg por 3-0, com grande atuação de Robben e Ribéry, dá esperanças para que os bávaros possam mostrar seu real potencial durante o andamento da temporada, já que Schweinsteiger, Klose e o próprio Ribéry também são jogadores que podem fazer a diferença.

Fußball-Club Bayern München
Status: Corre por fora pelo título
Melhor resultado na UCL: Quatro vezes campeão (1973/74, 1974/75, 1975/76 e 2000/01)
Time-Base: Rensing; Lahm, Van Buyten, Badstuber (Breno) e Pranjic (Braafheid); Tymoschuk (Van Bommel) Altintop, Schweinsteiger e Ribery; Olic (Klose) e Gomez.
Ele é o Cara! Apesar do caminhão de bons reforços, o meia Ribéry ainda é a referência técnica do Bayern. Agudo, habilidoso e imprevisível, o francês ainda desperta a cobiça de craques dos galáticos do Real Madrid. Na Alemanha, todos esperam ansiosamente pela dupla que formará com Robben, apelidada de “Robbery”
Olho nele: Velho conhecido dos brasileiros, Breno pode mostrar o bom futebol dos tempos de São Paulo, já que Lúcio deixou o clube. Tecnicamente, é o zagueiro de mais potencial do elenco bávaro. No entanto, ainda não conseguiu se firmar de vez como titular.
Tem brasuca aí? Breno (zagueiro)
Pontos Fortes: A velocidade e imprevisibilidade de Robben e Ribéry, auxiliados pelos lançamentos e passes de Schweinsteiger e os avanços pontuais de Lahm pela ala direita; A defesa é devidamente protegida pelo cão de guarda Tymoschuk, de forte poder de marcação; Muitas opções de ataque com Olic, Gomez, Klose, além do encostado Luca Toni.
Pontos Fracos: Ainda precisa se acertar na lateral-esquerda e na defesa, além da insegurança que passa o goleiro Rensing, que recentemente assumiu a camisa 1 da equipe após a aposentadoria de Oliver Kahn.

Juventus
A hora do maestro


Após temporada de retorno à Champions League em 2008/09 onde vendeu caro a eliminação ao Chelsea, a Juventus retoma aos poucos o seu status de grande potência européia, após o lamentável episódio do Calciocaos, que rebaixou os italianos a segunda divisão do Calcio e os afastou das principais competições européias.

Para esta temporada, a Vecchia Signora repatriou dois campeões do mundo pela Itália, em 2006: o lateral Grosso (ex-Lyon) e o veterano zagueiro Fabio Cannavaro – melhor do mundo da FIFA em 2006 e sem espaço no novo Real Madrid-, além de trazer outro zagueiro, o uruguaio Cáceres, do campeão europeu Barcelona. No entanto, as principais contratações da Juve foram brasileiras. Depois de ótimas performances na Fiorentina que o levaram a titularidade no Brasil, o volante Felipe Melo chega com a missão de acertar a cabeça de área. E ainda mais badalado, o meia Diego vem para sanar uma grande deficiência da equipe nos últimos anos na articulação nas jogadas da equipe. A empolgação com o brasileiro é tanta que a imprensa italiana chegou a comparar o camisa 28 com Michel Platini, ídolo da Juve e craque da França nos anos 80 e que atualmente preside a UEFA. Mas o fato é que Diego está correspondendo às expectativas neste início de temporada e forma com Del Piero e Amauri a referência técnica da equipe.

Aliás, o experiente Del Piero é o oitavo maior artilheiro da história da Champions, com 44 gols e está no rol dos sete jogadores que disputaram mais de 100 partidas da competição defendendo a mesma camisa. Outros bons jogadores que formam a base da Azzurra, como o zagueiro/ala Chiellini, o meia Camoranesi e o excelente goleiro Gianluigi Buffon podem ajudar a Juve no retorno ao topo. Com um time mais entrosado – mesmo com a estréia do ex-jogador Ferrara como técnico de futebol – a Juventus sai na frente rumo à liderança deste Grupo A, frente a um Bayern que ainda procura sua cara definitiva, um Bordeaux que é uma incógnita e um Maccabi Haifa que parece pintar como um mero figurante.

Juventus Football Club
Status: Corre por fora pelo título
Melhor resultado na UCL: Duas vezes campeã (1984/85 e 1995/96)
Time-Base: Buffon; Grygera, Cannavaro, Chiellini e De Ceglie; Tiago (Poulsen), Felipe Melo, Marchisio (Camoranesi) e Diego; Del Piero (Iaquinta) e Amauri
Ele é o Cara! Com a aposentadoria do ídolo Nedved, o meia Diego chegou a Turim com a missão de ser o grande maestro das ações ofensivas da Juve. Jogador mais badalado da pré-temporada, mostrou categoria e capacidade para o desafio neste início de temporada ao liderar a Juve no clássico diante da Roma, onde marcou dois gols e acabou com o jogo.
Olho nele: Após boa aparição no último Europeu sub-21 pela Itália, o meia Sebastian Giovinco deve ganhar ainda mais espaço na equipe bianconera. Com apenas 22 anos, o meia vem sendo preparado para substituir o ícone Del Piero.
Tem brasuca aí? Felipe Melo (volante), Diego (meia) e Amauri (atacante)
Pontos Fortes: Além da experiência dos jogadores da Azzurra, a dupla de volantes Sissoko-Felipe Melo auxilia bem a defesa, com Felipe subindo com qualidade ao ataque; Diego vive boa fase e é o cérebro da equipe; Del Piero, mesmo veterano, também faz a diferença; time é forte na jogada aérea.
Pontos Fracos: O time perde muito de sua mobilidade ofensiva quando o limitado Iaquinta e Amauri formam a dupla de ataque; Precisa fortalecer a zaga, já que Cannavaro não é mais nenhum juvenil e Cáceres passou muito tempo contundido na última temporada.

Bordeaux
Base mantida e discrição

Assim como o Olympique de Marseille, o campeão francês Bordeaux poderia ter melhor sorte na escolha dos grupos desta Champions League, a exemplo do que aconteceu com o Lyon. Entrosada, a equipe comandada por Laurent Blanc pouco se movimentou durante a janela de transferências, mantendo a base do time que quebrou a hegemonia do então heptacampeão Lyon na Ligue 1. Garantiu a contratação em definitivo de sua principal peça na última temporada: o meia Yoann Gourcuff, emprestado pelo Milan. Também trouxe o goleiro Cédric Carrasoo, que fez boa temporada pelo Toulouse em 2008/09. Reforçou a meia com o tcheco Jaroslav Plasil (ex-Osasuna) e o zagueiro Michael Ciani (ex-Lorient). No entanto, os girondinos perderam uma peça importante de sua zaga, já que o senegalês Diawara rumou ao Marseille.

Com isso, o time é armado pelo jovem Gourcuff, auxiliado pelo brasileiro Wendel, responsável também pelas bolas paradas e de boa chegada ao ataque. Limitado no Brasil, o ex-volante do Santos ganhou ares de jogador primordial no esquema de Blanc. Auxiliando a defesa, o regular Alou Diarra fica à frente da linha de quatro defensores. No ataque, os girondinos possuem variadas opções, com o argentino Cavenaghi atuando como o centroavante clássico, enquanto David Bellion, Jussiê e o marroquino Marouane Chamakh – ainda frustrado por não ter sido negociado pelo Bordeaux – são opções de mais mobilidade e velocidade ao setor. E apostando na base de 2008/09, o Bordeaux tentará surpreender os favoritos Bayern e Juventus. Ainda assim, a equipe inicialmente briga por uma das vagas na próxima fase da Europe League.

Football Club des Girondins de Bordeaux
Status: Vaga na Europe League
Melhor resultado na UCL: Semifinalista em 1984/85
Time-Base: Carrasoo; Chalme, Henrique, Planus e Tremoulinas; Alou Diarra, Fernando (Plasil), Wendel e Gourcuff; Chamakh e Cavenaghi
Ele é o Cara! Figura presente nas últimas convocações da França, o volante e capitão Alou Diarra é responsável pelo equilíbrio do time. Na cabeça de área, à frente dos zagueiros, dá a segurança para que Gourcuff, Wendel e Cia ataquem os oponentes.
Olho nele: Tido como esperança no Milan, o jovem Yoann Gourcuff encontrou em Bordeaux todo o potencial para seu futebol. Com seus direitos adquiridos em definitivo pelos girondinos, tem a missão de se destacar nessa Champions, atuando contra grandes potências do continente. É o cérebro da equipe.
Tem brasuca aí? Henrique (zagueiro), Fernando Menegazzo (volante), Wendel (meia) e Jussiê (atacante)
Pontos Fortes: Boas opções de velocidade no ataque, além do toque diferencial de Gourcuff. Pode montar uma linha de volantes com Fernando Menegazzo e Diarra contra equipes mais fortes, ou uma linha de três meio-campistas mais avançadas, com Plasil.
Pontos Fracos: Perdeu o zagueiro Diawara, referência da defesa na última temporada e pode ter dificuldades para reentrosar o setor rapidamente; laterais pouco incisivos no ataque.

Maccabi Haifa
Desta vez, em casa

Cinco anos após ter seu último representante na fase da competição - o Maccabi Tel-Aviv – Israel volta à Champions através do Maccabi Haifa. Mesmo sendo o maior campeão israelense, com 11 títulos, a equipe tinha chegado até a fase principal apenas em uma oportunidade, em 2002/03, num grupo que tinha Manchester United, Bayer Leverkusen e Olimpiacos – tendo como resultado mais expressivo a vitória de 3-0 diante do Manchester United. Só que naquela oportunidade, devido aos conflitos mais acirrados no território israelense, a equipe não pôde mandar suas partidas em seu estádio, atuando em Sofia (Bulgária) e Nicósia (Chipre). Por isso, a estréia da equipe diante do Bayern promete muito entusiasmo por parte da torcida local, no estádio Ramat Gan.

Para esta temporada, o principal reforço do Maccabi Haifa vem mostrando serviço: o georgiano Vladimir Dvalishvili, contratado junto ao Skonto Riga, é o artilheiro da equipe nessa Champions com cinco gols marcados. Destaque também para o goleiro Davidovitch, reserva do rodado Dudu Aouate na seleção e eleito o melhor jogador do último campeonato israelense (Liga Leumit). Como campeões de Israel, os Green Demons entraram na segunda fase da pré-classificatória do torneio, onde passaram sem dificuldades pelos norte-irlandeses do Glentoram, passaram aperto com os cazaques do Aktobe - viraram um placar de 3-0 quando naum podiam nem empatar para se classificar - e tiveram boa atuação sobre os austríacos do Red Bull Salzburg, dando-lhes o saldo de 19 gols marcados e apenas quatro sofridos em seis partidas. Agora, diante de alguns grandes europeus neste Grupo A, os israelenses devem se contentar em ser meros figurantes, mesmo com o entusiasmo em poder mandar suas partidas em casa. Deve ser o fiel da balança desta chave.

Moadon HaKaduregel Maccabi Haifa
Status: Azarão
Melhor resultado na UCL: Fase de grupos em 2002/03
Time-Base: Davidovitch; Meshumar, Jorge Teixeira, Keinan e Masilela; Culma, Kayal, Ghadir, Rafaelov e Katan; Dvalishvili
Ele é o Cara! O experiente goleiro Nir Davidovitch, 32 anos, eleito o melhor jogador da equipe no último campeonato nacional
Olho Nele: Tido como a maior promessa do país após o meia Yossi Benayoun, do Liverpool, Liar Rafaelov é a referência técnica do Maccabi Haifa. Vice-artilheiro da equipe no último campeonato nacional com nove gols, atua pela faixa esquerda do meio-campo.
Tem brasuca aí? Gustavo Boccoli e Tiago Dutra (meias)
Pontos Fortes: Além da boa fase do georgiano Dvalishvili, a faixa esquerda da equipe é muito incisiva no ataque, com Rafaelov e o voluntarioso lateral sul-africano Peter Masilela, titular da equipe comandada por Joel Santana. A experiência de Davidovitch também será de grande valia.
Pontos Fracos: Além da falta de tarimba da maioria do elenco em competições européias de primeira linha, Masilela costuma deixa uma avenida às suas costas quando ataca.

Jogos:
15/09 Juventus x Bordeaux
15/09 Maccabi Haifa x Bayern
30/09 Bayern x Juventus
30/09 Bordeaux x Maccabi Haifa
21/10 Bordeaux x Bayern
21/10 Juventus x Maccabi Haifa
03/11 Bayern x Bordeaux
03/11 Maccabi Haifa x Juventus
25/11 Bordeaux x Juventus
25/11 Bayern x Maccabi Haifa
08/12 Juventus x Bayern
08/12 Maccabi Haifa x Bordeaux

3 comentários:

Alex Alvarez disse...

Excelente análise. Um grupo interessante este. Acho que Bordeaux e Maccabi Haifa vão complicar bastante a vida de Juventus e Bayern Munique, mas no final tudo vai terminar como o previsto: a equipe italiana e a alemã nas oitavas, a francesa na Europa League, e a israelita eliminada de tudo. Vamos ver.

Abraço.

Rafael Igor (www.passesdeletra.com) disse...

André,

Excelente prévia do Grupo A. Muito boas informações, inclusive do Maccabi Haifa. Muito bom mesmo! Volto para conferir as prévias dos outros grupos.

Abraço.

Vinicius Grissi disse...

Só discordo que o Bayern é um concorrente ao título. Tem um bom time, mas não capaz de combater as grandes equipes.

Passam Juve e Bayern. E é uma pena o Bordeaux ter caído num grupo tão forte. É um time interessante.