29.9.09

Aguentamos o tranco?

Não sou contra a realização da Copa no Brasil e nem a candidatura do Rio de Janeiro para as Olimpíadas de 2016. Pórém ultimamente ficou claro que os organizadores desses eventos não querem aceitar nossas limitações estruturais. Explico: mais uma vez o presidente da FIFA, Joseph Blatter, veio a público para falar dos preparativos para a Copa de 2014. E mais uma vez foi enfático ao declarar que o Morumbi não tem condições de ser a abertura do evento.

Morumbi 2014: Bonito, mas problemático

O que mais chama atenção é como nossos cartolas insistem em peitar a opinião da FIFA em relação à organização desses jogos. Os dirigentes do São Paulo afirmam que o projeto inicial para a Copa já foi reformulado e que o estádio vai receber os ajustes necessários. Além da falta de um estacionamento adequado e um amplo espaço para a imprensa, Blatter critica o difícil acesso ao Morumbi. Ele tem razão. Quem teve a oportunidade de acompanhar uma partida do tricolor sabe que as vias de acesso não são suficientes. Além de estreitas e confusas, as avenidas e ruas da região do Morumbi estão distantes dos grandes pontos de deslocamentos paulistanos, como as Marginais e a Vinte e três de Maio. Os trens de CPTM nem passam perto e o metrô vai ficar a mais de um quilometro de distância...

O presidente da entidade máxima do futebol também demonstrou que não vai cair no jogo político dos brasileiros. Sugeriu que o estádio seja sim usado em 2014, mas para partidas de menos importância. A abertura e a final já estão praticamente descartadas em solo paulistano. O que para o maior estado da união é uma verdadeira tragédia.

Esse episódio deve servir de exemplo para as outras cidades. O planejamento de um evento desse porte deve ser minucioso e não pode jamais esbarrar no jogo de interesses da CBF e do Governo Paulista. Ao que me parece foi o que houve. Enquanto outros estados apresentaram projetos eficazes, São Paulo se limitou a remodelar uma obra dos anos 60. Não deu certo.

Na semana em que conheceremos a sede das Olimpíadas de 2016, essa lição deve ficar clara para o COI e para o Governo Federal. Se for para vencer a concorrência e pecar na hora de executar as obras, é melhor deixar que outros países realizem o evento. Afinal, compromisso e competência nunca foram virtudes de nossos governantes... e no final quem paga a conta somos nós.

8 comentários:

Flávio Benvenuto disse...

Não sejamos ingênuos . O Morumbi apresenta problemas sim, no entanto em menores proporções que os demais. Além de ser um dos únicos que construira e sanara os seus com dinheiro privado. Ao contrário de muitos elefantes brancos que serão erguidos em Cuiabá, Manaus e tantas outras sede com "tradição" futebolística.
O lobby para a construção de um novo estádio em SP é maior que possamos imaginar e ela conta com a ajuda da FIFA.
Quem mais poderia abrir a Copa que não o Estado mais rico e poderoso da nação? Nem que para isso seja preciso construir um novo elefante branco... é o que todos desejam, famintos.

Ao contrário de vc sou veementemente contra a realização de uma Olimpíada no país. Todos nós sabemso que o Pan, isso mesmo, um simples Pan, não deixou legado algum. As piscinas do Maria Lenk estão fechadas, o autóotromo foi destruído e nada esportivo acontece lá...a arena multiuso viu espaço HSBC para shows e por ai vai. E as promessas de despuluição da Baia da Guanabara, do metro e tantas outras cosias...obra que não saíram do papel e memo assim o orçamento inicial estrapolou em mais de 200%. Vc ainda é fabor d euma Olimíada? O Brasil tem o orçamento, o inicial, claro, inúmeras vezes maior que as demais cidades sedes. O esporte amador no pa´pis não existe. A imensa maioria das escolas públicas do país, dados do IBGE, não tem quadra de esporte e/ou um campinho de futebol. E os políticos estão vendendo uma imagem de potencia olípica??? Por favor...isso é ridículo...é um assalta a mão armada aos cofres públicos.
Ontem mesmo o prefeito do Rio, quando comentava sobre a construção de uma museu na sede da CFB disse ao ser perguntando quanto custaria a obra: "isso é um detalhe....20 milhoes de reais".
Detalhe????

Honestamente ficarei muito frustrado se o Brasil for escolhido como sede dos Jogos Olímpicos...
Até agora foram gastos 180 milhoes apenas em campanha para a realização deles....se metade desta verba fosse investida no esporte amador, na construção de quadras poliesportivas em escolas publicas para a formação de futuros atletas..ficaria mais satisfeito. Esse projeto é ridículo e nãpo passa de mais uma manobra para caça niqueis.
Os políticos estão tãooo preocupados com o esporte e com o legado que esses eventos vão trazer que este ano foi diminuido não sei qauntos milhoes de reais do orçamento esportivo... o que refletiu na dispensa de muitos atletas, pagamentos e ajudas de custo.
Desculpe, mas não posso compactuar com tudo isso.

Se um dia construirmos uma base de respeito, que nos dê a chance de nos tornar essa "potencia olimpica" que os governates estão prometendo, serei a favor.

Lembra do Vicente Lenilson, aquele que ganhou uma medalha no revezamento em Sidney....então..não tem clube para treinar e ameaça abandonar o esporte. Mas não se preocupe, meu caro Vicente, tudo será solucionado a partir desta sexta, quando o tão saudoso "nosso país" será eleito sede de 2016.
Bela merda tudo isso!!!!!

Felipe Moraes disse...

E Chicago deve mesmo ficar com 2016. Obaama vai a Copenhague e muitos já dão como certo essa escolha.

E, sobre a questão do Morumbi, o André disse bem. Em vez de se adequar às exigências da Fifa, São Paulo se limitou a apenas repaginar o estádio.

Abraço,

Felipe Moraes

Filipe Araújo disse...

Conta nós damos sim. Mas eu não gostaria que viesse pra cá não!

Saludos!

http://gambetas.blogspot.com

Arthur Kleiber disse...

Ia escrever um post como resposta, mas concordo com absolutamente que o Flavio falou. Sou contra a Copa e a Olimpiada no Brasil nao por sermos um país "atrasado ou subdesenvolvido". Temos o dinheiro suficiente para tal. Mas infelizmente nao temos politicos e dirigentes esportivos no minimo razoaveis, para nao dizer horriveis, "sem-vergonhas" e sem o minimo senso de responsabilidade com o patrimonio publico, para conduzir tais eventos. O Pan, como bem disse o Flavio, eh prova mais do que cabal de que o Brasil nao tem competencia e nao ira cumprir os compromissos assumidos.

Felipe Brisolla disse...

Duas coisas:

Não sou contra a realização de eventos desse porte no Brasil, por acreditar que a décima economia do mundo deveria ser capaz de organizá-los. Pelo menos deveria. Não é porque o Pan deu errado que todos os outros projetos devam ser abandonados... Se espelhar sempre nos maus exemplos é uma forma de aceitar a estagnação. As vezes é precisar inovar e ousar para obter sucesso. Mas como disse no texto, tudo isso deve ser acompanhado de planejamento.... o que não houve no caso específico do estado de São Paulo.

Em relação a um país que não investe em esporte amador, a organização de uma olimpíada poderia surgir como o impulso para essa virada. Como já se observou em outros países...
Pedir que a verba seja aplicada em políticas públicas é uma imensa utopia. Um país que não investe em lazer, cultura, preservação ambiental e cidadania, não vai reservar verba para o esporte. Principalmente, o amador. Por isso, não dá para esperar a bom senso dos governantes quanto às questões de base...

Não é uma questão de ser ingênuo, é uma questão de otimismo e empreendedorismo... A lição do Pan poderia nos conduzir a corrigir nossas próprias falhas...Pode não ser o caso das olimpíadas de 2016, mas um dia vamos ter que acertar...

Flávio Benvenuto disse...

Muito interessante e louvável seu otimismo e visão de empreendedorismo Felipe. No entanto, o Brasil, ao contrário dos demais, quer fazer o caminho inverso. Aproveitar-se do evento, para daí sim sonhar em produzir frutos através dele.
Também acho que um país que tem a 10ª economia do mundo tem condições de realizar eventos de grande porte... o problema está sendo o preço que se paga por tudo isso. A cada nova empreitada torna-se muito caro e cada vez mais lesa o cidadão comum.

A lição do Pan poderia sim nos conduzir a corrigir as próprias falhas, no entanto não é o que parece... O Pan teve que ser sanado as pressas pelo poder público, senão não haveriam Jogos. Diante de todo o histórico e evidências, não consigo acreditar que as coisas serão diferentes na Copa e nas Olimpíadas.
Pode ser uma visão pessimista, mas infelizmnete mesmo sentaremos em 2020 e falaremos: poxa..... uma única medalha olímpica de ouro de novo. E o legado, blá, blá, blá? O Brasil teve em 2008 o maior orçamento de sua história nas Olimpíadas, mas o que adianta se não há planejamento, divisões de base e investimentos básicos no esporte. O que peço pode ser sim utopia, mas está mais que provado que é o caminho certo e de resultados. Não conheço nenhum outro exemplo de sucesso que não este.

Arthur Kleiber disse...

O Pan poderia servir de licao?? O Tribunal de Contas ja mostrou que houve falhas, superfaturamento de obras, promessas nao cumpridas, instalacoes abandonadas e tudo mais. Qual foi a licao tirada de tudo isso? Punicao aos responsaveis? Claro que nao. Jogar tudo para baixo do tapete para nao "atrapalhar" a campanha Rio-2016. Excelente ideia.

Eu concordo: claro que o Brasil teria capacidade financeira para organizar uma Olimpiada, nao ha duvidas sobre isso. O problema eh que os pliticos e dirigentes esportivos que vao comandar essa empreitada nao condizem com a 10a economia do mundo. Se tivesse alguma relacao direta, acho que seria la pela 100a do mundo...

gerson disse...

Eu, se fosse dirigente do São Paulo ou do Inter pensaria primeiro no clube. Não entraria nessa de buscar financiamentos grandes só pra agradar a FIFA. endividar o clube por causa da copa é suicídio.A comissão organizadora que se vire.
e outra: os estádios não foram aprovados pela FIFA? então pq a reclamação? Das duas uma: ou os dirigentes enganram a FIFA,e aí devem ser responsabilizados publicamente, ou a FIFA está fazendo mais exigências, que se for assim deve ser desconsideradas pelos clubes.