10.10.09

Defesa que ninguem passa...

Muricy Ramalho: o homem que decidirá o tetra. Só resta saber para quem.

Com o fim da 28º rodada, ficam faltando apenas dez para o fim do Brasileirão. Nessa mesma época, em 2008, cinco equipes brigavam pelo caneco: Grêmio, Palmeiras, São Paulo, Cruzeiro e Flamengo. Na atual edição, Palmeiras e São Paulo voltam a aparecer entre os favoritos. Os novatos desse ano no “grupo” são Internacional, Atlético-MG e Goiás (ver tabela na coluna ao lado).

Ano passado, fizemos uma simulação semelhante, quando faltavam nove rodadas para o fim do campeonato, e nosso palpite acabou não se concretizando: das seis simulações, quatro apontavam o então líder Grêmio como o campeão. Esse ano resolvemos fazer o mesmo, faltando uma rodada a mais.

Resultado: mais uma vez vamos com o líder. Foram quatro simulações (André, Barretos, Felipe e eu - clique aqui e aqui para conferir - sendo que em três delas o Palmeiras fica com o penta, e em uma o São Paulo com o hepta. O campeão ficaria entre 71 e 76 pontos, o que da a média de 73,5 – arredondando para 74. Com 54 pontos, o atual líder precisaria de 20 entre 30 possíveis, ou seja, um aproveitamento de 66,6%. Totalmente possível para quem ostenta atualmente 64%. Com o atual tricampeão Muricy no comando, fica difícil ver o Palmeiras não sair da fila de 15 anos em Brasileiros. O Verdão está embalado, concentrado e conta com um bom elenco para levar o caneco.

Para o alcançar o sonho do hepta, o Tricolor precisaria fazer 25 pontos, com um altíssimo aproveitamento de 83,3%, contra os 58% atuais. Muito difícil chegar nesse patamar: seriam necessárias sete vitorias e três empates, ou oito vitorias e dois empates. Internacional e Atlético-MG, hoje com 55%, e Goiás com 53%, tem tarefa ainda mais árdua. Claro que esses 74 pontos são um palpite, mas acredito que a pontuação do campeão não ficara muito distante desse numero.

O São Paulo mostrou no ano passado que é possível dar uma arrancada final. Mas é difícil acreditar que a mesma coisa possa acontecer. Por dois fatores: a principal delas, claro, é a presença de Muricy no lado verde – alcançar o tetracampeonato brasileiro consecutivo fara de Muricy, na minha opinião, um dos maiores da historia (isso sem contar o polemico vice de 2005). O segundo é a confortável vantagem de cinco pontos, o que lhe permite alguns tropeços.

Para tornar o campeonato ainda melhor, ha vários confrontos diretos entre os cinco primeiros, o que pode deixar a situação mais embolada – ou servir para confirmar o favoritismo do Verdão. E houve gente (por incrível que pareça, ainda há) que disse que o sistema por pontos corridos não tem emoção.

O único consenso entre as simulações é de que o Fluminense vai ser o próximo grande do futebol brasileiro a disputar a segundona, de onde só saiu graças a virada de mesa que criou a Copa João Havelange, em 2000, quando pulou da terceirona para a elite sem escalas. Dessa vez, se de fato cair, vai precisar voltar por méritos, e não por politicagem, problema aliás que faz com que o Tricolor Carioca esteja na lanterna e praticamente condenado ao pesadelo da Série B.

Bandeira que pode estar tremulando no dia 8 de dezembro

3 comentários:

Felipe Brisolla disse...

A rodada desse fim de semana, que ainda nem terminou, praticamente selou a sorte do Palmeiras na competição. Além da competência, Muricy Ramalho levou a famosa sorte de campeão para o Alviverde...

Saulo disse...

É verdade mesmo. O Muricy é um excelente técnico, mas tá com uma sorte grande de campeão.

gerson disse...

Mesmo perdendo para o Náutico o título é quase certo. Não vejo no São Paulo força para a virada.