21.10.08

Violência demais, futebol de menos.

O ditado fala que o futebol é um esporte de contato. Para os mais exaltados, “quem quer moleza não sai de casa”. No entanto, alguns jogadores realmente usam o artifício para se dar bem frente aos adversários. O torcedor, carente por um lance bonito ou um drible bem elaborado, tem que se contentar com uma trombada mais vigorosa.

O atacante Kléber, do Palmeiras, é um exemplo do que eu estou falando. Longe do que muitos dizem, apesar de esforçado, não acho o camisa 30 um grande atacante ou “um craque”, como alguns afirmam. No máximo um jogador mediano no futebol brasileiro. Kléber afirma que é perseguido pela arbitragem; será mesmo?
O jogador comemora a sua quinta absolvição no ano: o caso mais recente foi uma cotovelada no zagueiro Asprilla, do Figueirense. O advogado do Palmeiras, Rafael Pestana, afirma que foi um lance normal de jogo e que o toque foi acidental; mas se um jogador vive com o cotovelo levantado, cedo ou tarde vai acertar alguém, mesmo que por “acidente”. Não vou nem entrar no mérito se o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) agiu corretamente em absolvê-lo neste caso. O que me intriga é um atacante passar por tantos julgamentos por atos violentos, ter tantos cartões amarelos e vermelhos e continuar atuando da mesma forma jogo após jogo.

Quando o palmeirense decide jogar bola até traz perigo pra o adversário, mas o que mais acontece durante uma partida é aquele famoso cotovelo na altura do rosto ou pescoço do zagueiro mais próximo, ou o pé acima da linha da bola numa dividida. Por favor, não levem isso como uma perseguição pessoal para com o atleta, apenas assistam aos próximos jogos do Palmeiras e vão saber do que eu estou falando.

Entendidos do futebol vão argumentar que o contato constante faz parte do esporte, o que eu tenho que concordar. Mas gostaria de deixar registrado que o futebol sem as trombadas em excesso, com fintas de deixar o adversário sentado “a ver navios” também faz parte do esporte e é, de longe, muito mais bonito.

3 comentários:

Saulo Milleri Biral disse...

Essa STJD é uma palhaçada mesmo. Não tem jeito com esses caras. O Kléber é o rei das cotovelas e mesmo assim foi absolvido. Só pode ser uma brincadeira mesmo.

Arthur Kleiber disse...

Jota, acho que esse tipo de coisa sempre existiu, é que agora todos os jogos são televisionados, temos imagens de todos os jogos, e por isso acaba aparecendo mais... Sinceramente acho que isso sempre existiu.
Quanto ao STJD, sem comentários, os caras são ridículos, mas é preciso mais bom senso dos caras

Breiller disse...

O Kléber é um bom jogador e tal, mas é muito maldoso. Tudo bem que o atacante não pode ser bobo e só tomar pancada de zagueiro, tem de se defender também. Mas é um estilo de jogo que na própria Europa já está sendo visto com mil ressalvas. O temperamento do jogador é fator chave na decisão de compra dos clubes europeus hoje. Ninguém quer um indisciplinado em seu elenco.