6.10.08

Noviços rebeldes

O caçula Hoffenheim chega à vice-liderança da Bundesliga: resultado de muitos investimentos, que fizeram o time chegar rapidamente a principal divisão do país.

Centenários, porém debutantes, Hoffenheim e Hull City estão dando o que falar em dois dos principais campeonatos do Velho Continente: Bundesliga e Premier League, que assistem ao galopar de duas zebras. O Hoffe só não está na liderança da competição graças a uma vitória no sufoco do concorrente direto Hamburgo, mas segue firme na classificação no segundo posto. Já os Tigers subiram de produção graças a dois êxitos em Londres: o primeiro, na surpreendente vitória contra o Arsenal por 2-1 em pleno Emirates Stadium, e o segundo na vitória pelo placar mínimo sobre o combalido Tottenham. Até onde os caçulas da primeira divisão de Alemanha e Inglaterra podem surpreender e dar trabalho às potências?

Mesmo com a coincidência de boas campanhas e da estréia na principal competição nacional de seus países de origem, as duas equipes têm trajetórias distintas. O Hoffenheim tem um mecenas, Dietmar Hopp. No entanto, o alemão não parece fazer o tipo "investidor aventureiro" que veio de um lugar distante, sem raízes com o clube, mas ainda sim um aficcionado por ele. Hopp adquiriu o controle financeiro do clube em 1990, por conta do vínculo afetivo com o clube, o qual frequentava em sua juventude. Mais tarde e já como engenheiro, fundou em 1972 a empresa de softwares SAP ao lado de outros colegas, todos dissidentes da IBM alemã. Atualmente, a SAP é a maior empresa produtora de softwares da Europa, o que possibilitou a Hopp construir fortuna estimada em cerca de US$ 1 bi, segundo a lista de bilionários da Revista Forbes.

Sempre atuando por divisões regionais da Alemanha, aos poucos a equipe foi galgando espaços no futebol alemão, com acessos meteóricos a partir de 2000, onde disputava o equivalente a quarta divisão local. Na disputa pela segundona a partir de 2006/07, Hopp resolveu investir alto em jovens promissores do futebol. Foi quando ele gastou cerca de 8 milhões de euros para trazer o promissor meia Carlos Eduardo, então vice-campeão sul-americano com o Grêmio em 2007, além dos atacantes africanos Demba Ba e Chinedu Obasi (medalha de prata em Pequim com a Nigéria) e do goleiro Ramazan Özcan (terceiro goleiro da Áustria na Euro 2008), pilares da boa campanha na temporada passada, quando o Hoffe ficou na segunda colocação da 2.Bundesliga. Aportando na Bundesliga, proporcionou jogos com muitos gols, como no fantástico revés de 5-4 sofrido frente ao Werder Bremen - onde chegou a estar vencendo por 4-3 - e na goleada contra o Dortmund por 4-1, mostrando a vocação ofensiva da jovem equipe, com média de idade de apenas 24 anos. Além dos destaques que levaram o Hoffe ao acesso, o atacante bósnio Vedad Ibisevic (ex-Alemannia Aachen) é a grande vedete da equipe até aqui, contribuindo com sete dos 16 gols marcados, o que o coloca como um dos artilheiros do campeonato até a sétima rodada, onde o time figura no segundo posto, com 13 pontos e apenas duas derrotas.

Já o Hull City, fundado no início do século, sempre perambulou pelas divisões intermediárias da Inglaterra. Sua maior conquista antes do acesso à Premier League havia sido o título da terceira divisão inglesa em 1965/66. E a partir dos anos 80, os Tigers começaram a atravessar grave crise financeira, salvos pela intervenção do ex-diretor do Leeds, Adam Pearson, que ajudou a sanar as contas do clube e viu a equipe se reerguer aos poucos, a partir do fim da década de 90. Em cinco anos, o Hull ascendeu da terceira para a primeira divisão, ao vencer o playoff de acesso contra o Bristol City em 2007/08, após terminar em terceiro na fase de pontos corridos.

No entanto, mesmo com o êxtase de estar na Premier League, o clube fez contratações modestas. Ao contrário do Hoffenheim, o Hull optou por trazer jogadores rodados a preços “modestos”, quando tratamos de cifras na Europa. A contratação mais cara do clube – e dos seus 104 anos de fundação - foi a do zagueiro inglês Anthony Gardner (ex-Portsmouth, 3.200.000 €). Maior destaque da equipe até aqui, o atacante brasileiro Geovanni (ex-Cruzeiro, Barcelona, Benfica e Manchester City) veio sem custos para os Tigers. Mesmo assim, vem corrspondendo à aposta do clube, com a artilharia da equipe (três gols, dois deles nas duas últimas rodadas). Além do brasileiro, destaque para o goleiro galês Boaz Myhill, que está no clube desde 2003 e é um dos responsáveis pela trajetória meteórica da equipe rumo à primeirona. É um time modesto e que ainda peca pela instabilidade e falta de equilíbrio entre defesa e ataque, já que mesmo na terceira colocação com 14 pontos, possui saldo de gols negativo (10GP e 11GC). Mesmo assim, já colocou as manguinhas de fora ao bater Arsenal e Tottenham fora de seus domínios e só perdendo uma partida em sete disputadas – goleado em casa pelo Wigan por 5-0

Além da excelente fase, ambos desfrutam de audaciosos projetos de estádios. Enquanto o Hull City atua no KC Stadium, com capacidade para 25 mil torcedores e inaugurado em 2002, o Hoffenheim está construindo uma arena com capacidade para 30 mil torcedores em Heidelberg, prevista para janeiro de 2009. O “velho” Dietmar-Hopp Stadion, construído em 1999, não atende às exigências da Bundesliga, já que possui apenas 5000 lugares. Atualmente, a equipe manda suas partidas em Mannheim, no Carl-Benz Stadion, de 26 mil lugares.

Analisando as chances dos novatos, o time do Hull é bem modesto e não deve fazer papel relevante no Inglês em um futuro próximo. A manutenção na Premier League já seria uma vitória, mesmo contando com um time mais experiente, porém limitado tecnicamente. Já o Hoffenheim, com maiores investimentos na base jovem, pode inspirar-se em seu vizinho Karlsruher - do mesmo estado alemão de Baden-Württemberg, ao sul da Alemanha - que fez uma razoável campanha no mesmo ano de sua promoção à Bundesliga, em 2007/08, quando passou longe da zona de rebaixamento e chegou a sonhar com uma vaga na Copa UEFA. Em campeonatos onde o abismo entre grandes e pequenos é enorme, não é curioso deixar de pensar o incômodo que esses nanicos estão trazendo. Pelo menos, provisoriamente.

3 comentários:

Breiller disse...

A ascensão desses nanicos na Europa é um fenômeno interessante mesmo, André. Antigamente, os investidores injetavam dinheiro em clubes tradicionais estagnados, como o Manchester City e o Shaktah Donetski. Hoje em dia, nem o fator tradição tem contado mais.

Os investidores têm olhado mais a questão de posicionamento da marca e visibilidade a ser alcançada no mercado em que estão penetrando. Tanto a Bundesliga quanto a Premiere League são campeonatos que proporcionam extrema visibilidade. Então, pouco importa se um clube é tradicional ou não, se tem torcida ou não tem. O negócio é estar em um mercado competitivo, capaz de promover uma marca, atrair novos investimentos e promover a venda de jogadores.

Arthur Kleiber disse...

Acho que ao investir em um clube pequeno, os investidores garantem ainda mais retorno. Claro que os grandes times tem uma exposição na mídia bem maior. Mas times grandes tem vários. Quando o investimento é feito numa equipe sem tradição, passamos a falar sempre dela, torna-se uma referência, e talvez a marca fique ainda mais forte. Sei lá, isso é coisa pra publicitários e marqueteiros... hehe

Em relação aos times citados, é preciso esperar mais pra poder falar alguma coisa, foram poucos jogos. Precisa ver até onde eles aguentam

Thiago Barretos disse...

Ainda é muito cedo para tecer suposições de até que ponto esses clubes podem incomodar os grandes.
Mas, eu acho muito bacana ver times pequenos atraindo grandes investidores tentando diminuir a disparidade entre as ligas européias.
Abraço