18.9.08

Queimando a língua?

Faz parte da vida do ser humano se equivocar, ainda mais em um meio onde constantemente somos compelidos a emitir opiniões sobre as mais diversas situações esportivas, como fazemos no blog. Este mea culpa é da opinião que tive acerca da contratação de Morais, então no Vasco da Gama, para o Corinthians. Nas conversas informais, me referi a ele como “Lulinha mais velho”, por conta de toda a situação que ocasionou sua saída do Vasco. Algo semelhante a perseguição que Lulinha sofre de boa parte da torcida corinthiana atualmente - diga-se de passagem, injusta nos últimos jogos. Nos acompanhamentos que havia feito ao seu futebol nos tempos de Vasco, sempre o achei marrento, não-objetivo e inconstante para um "camisa 10".Mesmo assim, se tratava de alguém com uma habilidade maior do que muitos na mediocridade do Rio de Janeiro (por conseqüência, dos outros clubes brasileiros também), mas eu – e, por relatos, a maioria da torcida vascaína – achava que ele nunca seria protagonista de nada importante e poderia acabar caindo no esquecimento dos times médios do Brasil, como já ocorreu com outros atletas de situação parecida, como Adrianinho (ex-Ponte e Corinthians), que no seu auge até recebeu proposta para se naturalizar austríaco, dada a sua ascendência. Hoje, perambula pelo país, sombra do jogador que foi outrora.

Passadas seis rodadas desde a sua estréia, em 19 de agosto contra o CRB, em Maceió, Morais vem se consolidando como peça importante do esquema de Mano Menezes, principalmente após as contusões de Dentinho. A entrada do camisa 9 teve dois impactos profundos no modo de jogar do alvinegro: a carga da responsabilidade da armação do time, delegada a Douglas, diminuiu. Conseqüentemente, a marcação maciça sobre o armador também teve de ser dividida, com os dois conseguindo criar mais situações ofensivas. Fator esse que contribuiu em grande parte para a série de seis partidas com vitórias consecutivas, quebradas somente com o empate diante do Brasiliense. Por fim, Morais deu nova opção de variação tática ao Timão, por atuar ora como segundo atacante, ora como quarto homem do meio campo, vindo de trás. Nos últimos jogos, vê-se até uma semelhança com o modo de jogar do Timão com o da Seleção de Dunga, num 4-2-3-1. Comprovadamente, a inserção de Morais no time causou impacto à parte ofensiva. Foram 16 gols em seis jogos, o que colaborou para a recente arrancada e no aumento da vantagem do Corinthians na ponta da tabela da Série B.

A volta de Dentinho à equipe – importante por dar velocidade nas jogadas pelos flancos – poderá abrir um leque de possibilidades ofensivas para Mano. Com a provável saída de Lulinha para a manutenção do ex-vascaíno na equipe, a armação ficaria a cargo dele e de Douglas, com Dentinho na movimentação e Herrera um pouco mais fixo entre os zagueiros. Numa eventual necessidade, Mano poderá sacar um atleta do meio-campo e atuar com dois meias e três atacantes, com Morais ou o próprio Lulinha fazendo as vezes de wingers, abertos pelos extremos do campo.

A saída conturbada de Morais do Vasco e todo seu histórico recente pelo time cruzmaltino não pareciam apontar uma recuperação tão rápida do seu melhor futebol, agora em terras paulistanas. Mas o jogador vem surpreendendo positivamente. Tanto é que o Corinthians já mostrou interesse em adquirir seu passe em definitivo, por cerca de US$ 3 mi. A evolução de jogadores como ele, o próprio Elias e Douglas pode se tornar o embrião de um forte e incisivo meio-campo para a próxima temporada, que pode ser a de redenção do Corinthians no retorno à Série A. Nada como uma mudança de ares para mudar o status (e a moral) de um jogador.

5 comentários:

Arthur Virgílio disse...

Em suma, Morais é craque.

Richardson Porto disse...

O Morais joga demais, ele só estava mal devido ao péssimo ambiente no Vasco, assim não tem como jogar.

Abraços.

Warley Morbeck disse...

Morais é um baita jogador

Warley Morbeck
http://flamengoeternamente.blogspot.com/

carlos eduardo pizzatto disse...

Quando vi a estréia de Morais no Corinthians, medestamente pensei: ele não sai mais do time. E tenho provas! (risos.) Tá lá no blog.

Danilo Damasceno disse...

Moraes é um otimo jogador, mas precisa de mais regularidade, quem sabe agora no timão ele consiga isso.Abração