31.7.07

Eldorado Gelado

Nos últimos anos, Rússia e Ucrânia – dois países pertencentes a ex-URSS – tem sido o destino de muitos jogadores de qualidade, sejam eles consagrados ou promessas em seus países/clubes de origem. Considerando que a Vischaya League (Ucrânia) e a Premier League (Rússia) não estão entre as principais ligas européias, pelo menos no que diz respeito a parte técnica, porque esses países do Leste Europeu se tornaram uma espécie de “Eldorado” para muitos jogadores?

Após o desmembramento da União Sovética, em 1991, surgiram as ligas russa e ucraniana, sendo que anteriormente somente as principais equipes das ex-repúblicas soviéticas formavam a Soviet Top League, a Liga Soviética de Futebol. E no período em que foi disputada, de 1936 a 1991, a supremacia de russos e ucranianos era evidente. Nesse período de 55 anos, as equipes russas conquistaram 34 títulos e as ucranianas, 16.

A supremacia de equipes como o Dínamo de Kiev (13 títulos), Spartak Moscou (12 títulos) e CSKA (7 títulos) se confirmou nas novas ligas locais. Em 15 campeonatos russos, o Spartak ganhou nove títulos e o CSKA venceu três. Na Ucrânia, o domínio é mais marcante. Em 16 campeonatos, 12 foram vencidos pelo Dínamo de Kiev.

Recentemente, os russos descobriram no futebol um grande filão financeiro. Basta ver que investidores donos de ex-estatais soviéticas são maciços investidores do esporte bretão, como Romam Abramovitch e o obscuro Boris Berezovsky, entre outros. Essa tendência injetou dinheiro e craques nas ligas. E o exemplo mais palpável disso é o surgimento e afirmação do Shakhtar Donetsk na região. Resposável por quebrar a seqüência de nove campeonatos consecutivos do Dínamo de Kiev, os “Miners” já conquistaram três campeonatos ucranianos e conseguiram chegar a fase principal da Champions League na temporada passada. Toda essa ascendência meteórica tem como figura principal o seu presidente, Rinat Akhmetov, proprietário da maior fortuna da Ucrânia, estimada pela revista Forbes em cerca de 4 bilhões de dólares. Akhmetov, que já foi proprietário de antigas estatais e atualmente é o principal acionista da SCM Holdings (que controla indústrias de ferro e mineração), assumiu a presidência do Shakhtar em 1996 prometendo levar o clube ao patamar dos grandes europeus. E o manda-chuva ucraniano não mediu esforços nem dinheiro para chegar a sua meta. Já havia contratado o meia Elano, valorizadíssimo após o Brasileiro de 2004, por cerca de 10 milhões de dólares. Para esta temporada, a equipe laranja já gastou cerca de 40 milhões de euros em reforços: Trouxe o lateral-direito Ilsinho por 11 milhões de euros, o atacante Cristiano Lucarelli – que marcou 20 gols no último Calcio pelo Livorno – por oito milhões de euros e Nery Castillo, destaque da última Copa América atuando pela seleção mexicana, por vultuosos 20 milhões de euros, saindo mais caro que Henry -que custou 14 milhões ao Barcelona. No âmbito interno, trouxe reforços como o goleiro Andriy Pyatov e o zagueiro Volodymyr Yezerskiy, revelações da seleção ucraniana sub-21, além do artilheiro do último campeonato ucraniano, Oleksandr Hladky. E os dois países também se tornaram exportadores de atletas os grandes centros. Recentemente, o romeno Ciprian Marica foi vendido pelo Shakhtar ao Stuttgart por oito milhões de euros.

Investidas do Shakthar a parte, lembremos que muitos brasileiros já estão no futebol russo e ucraniano. Alguns exemplos:
Shakhtar Donetsk: Elano, Fernandinho, Jádson, Luiz Adriano, Brandão e Ilsinho
Dínamo de Kiev: Corrêa, Kleber, Diogo Rincon, Michel e Rodrigo
CSKA: Vágner Love, Jô, Daniel Carvalho, Ramón e Dudu Cearense
Spartak Moscou: Géder, Mozart e Welliton

Mesmo com a procedência duvidosa da maioria desses investimentos, Ucrânia e Rússia começam a se tornar um dos destinos mais rentáveis para os atletas, que ja começam a optar por clubes de lá, ao invés de pequenos e médios de países como Portugal, França e Holanda. Será que no frio russo ou ucraniano, onde os campeonatos têm que parar durante três meses, devido ao inverno rigoroso, está o ouro? Como na lenda do Eldorado, a qual dizia que as construções eram de ouro e as riquezas, inesgotáveis, Rússia e Ucrânia brilham aos olhos dos futebolistas. Mesmo com campeonatos previsíveis (onde poucos times têm reais chances de vencer) e o quase ostracismo profissional.

5 comentários:

gerson sicca disse...

André, a Rússia é um dos países mais corruptos do mundo. O desmantelamento da burocracia estatal depois do fim da URSS foi um filão para quem conseguir meter as pastas no espólio do comunismo(o petróleo é um grande exemplo). Aí a lavagem de dinheiro tá comendo solta. Mas, como é a rússia, os países europeus aliviam na pressão contra as falcatruas.
Incrível como esses caras tao jogando dinheiro no futebol.

Felipe disse...

André, parabéns pelo blogue. Está adicionado o link para vocês lá. Abraço

Felipe
Onde a Coruja Dorme (http://ondeacorujadorme.blogspot.com)

Dassler Marques disse...

O dinheiro pago pelo Castillo foi absurdo. Os caras tão lavando tudo lá...e é triste sacar que nossos clubes não conseguem nem concorrer com o futebol da Ucrânia.

abraço andré

Thiago Barretos disse...

Estou gostando da política adotada pelo Shakhtar. O clube mescla promessas com veteranos não tão famosos e consegue armar esquadrões que ao menos garantem a supremacia local.
Pobre Dinamo de Kiev que, de quebra, pode ver seu maior rival alcançando feitos comparáveis ao do Estrela Vermelha. Exagero? Talvez

Felipe Leonardo disse...

Bela reportagem.

A supremacia local é indiscutível, até pela falta de qualidade dos clubes do leste europeu. Os que se destacam almejam vôos mais altos e, se possível, chamar a atenção dos países tradicionais com títulos continentais. Pode demorar. Mas a política de contratações já é um começo.
O perigoso é, como destacado pelo André, saber a origem de tanto dinheiro...

Abraço