2.12.08

Por uma (quase) vaga na Libertadores

Autor do gol na primeira partida da final,
Alex é o artilheiro do Colorado na Sul-Americana e o grande nome do time

Quando a FIFA puniu provisoriamente a Federação Peruana de Futebol, proibindo-a de participar de quaisquer torneios organizados pela entidade, três vagas na Copa Libertadores de 2009 que seriam destinadas aos representantes do país ficaram temporariamente abertas.

Qual seria a solução ideal para o virtual preenchimento destas lacunas? Muito se especula, mas os críticos esportivos acreditam que há grandes chances da Confederação Sul-Americana premiar o campeão da Copa Sul-Americana de 2008 com uma destas vagas restantes. Nada impossível...

Uma ótima oportunidade para a federação tirar o estigma de que o torneio é um mero caça-níquel, que não traz nenhum benefício ao seu campeão, exceto pelo R$ 1,7 milhão prometido ao vencedor. Quem sabe se assim faz com que a competição seja mais bem vista, sobretudo aos olhos das equipes argentinas e brasileiras que tanto a desvalorizam.

Apesar da instituição não ter se pronunciado diante desta hipótese, o burburinho fez com que o jogo desta quarta-feira ganhasse maiores proporções. Não à toa, tanto Internacional quanto Estudiantes desistiram de tentar uma melhor colocação em suas ligas nacionais e concentraram todas suas forças na tentativa de conquistar o título.

A vantagem conquistada pelo Internacional no jogo de ida, quando bateu o rival em La Plata por 1 a 0, foi extremamente importante para as ambições do time. No Beira-Rio, apoiado por sua fanática torcida, o Colorado sabe, como poucos, pressionar o adversário taticamente e psicologicamente.

Engana-se, porém, quem acredita que o título já está ganho. Afinal, o técnico Leonardo Astrada (ex-volante do River Plate e da seleção argentina) compensa a falta de habilidade de seus atletas montando um esquema compacto que privilegia a força física de seu meio-campo e a velocidade de seus atacantes.

Na jovem equipe do Estudiantes destacam-se o promissor lateral-esquerdo Juan Manuel Diaz, que disputou o último Mundial Sub-20 com o Uruguai, o jovem atacante Mauro Boselli, artilheiro do clube na competição com 4 gols, e o conhecido veterano Juan Sebastian Verón, capitão, líder e cérebro dos Pinchas.

Outro problema é a falta de Guiñazu, expulso na primeira partida. Sem o volante portenho, o Internacional perde parte de sua raça, seu poder de marcação. Dificilmente o bom Andrezinho suprirá a ausência do gringo, e a pegada do meio-campo certamente ficará mais fragilizada.

Ainda assim, no papel, time por time, elenco por elenco, técnico por técnico, o Inter apresenta melhores opções: Lauro, goleiro que cresce a cada jogo e botou Clemer merecidamente no banco; D’Alessandro, meia talentoso que segura um resultado como poucos; e Nilmar, atacante com nível para atuar na seleção brasileira, representam alguns diferenciais da equipe. Isso sem falar de Alex, armador que vive uma fase excepcional e sempre resolve quando exigido.

Além disso, um provável título gaúcho seria o primeiro passo para o Colorado realizar, em 2009, algo que alguns clubes brasileiros, como Flamengo, Vasco e Alético-MG, não conseguiram: comemorar seu centenário com um ano recheado de títulos.

7 comentários:

Arthur Kleiber disse...

Sou totalmente contra dar uma vaga à Libertadores para o campeão da Sul-Americana 2008. Primeiro porque seria injusto mudar o regulamento apenas agora, na final, prejudicando equipes que não priorizaram o torneio.
Segundo porque concordo com Mauro Cezar Pereira, da Espn Brasil: se estão sobrando três vagas, que eleas fiquem com quem irá disputar a pré-Libertadores. Esses fizeram por merecer a sua classificação.
É preciso valorizar a Sul-Americana, isso é fato. Pode-se até premiar o campeão com uma vaga na Libertadores, mas só a partir do ano que vem, com as regras definidas desde o começo.

E não sei quanto ao Estudiantes, mas o Inter só priorizou efetivamente a competição quando ficou sem chances de alcançar a Libertadores pelo Brasileiro.

Thiago Barretos disse...

Arthur, também acho que essa é uma maneira errada de priorizar o torneio.
De qq forma, apenas p/ informação geral, pelo o q eu sei, o Estudiantes ainda tem chances de ir p/ a Libertadores.
O problema é que a equipe briga p/ esta vaga, justamente c/ o San Lorenzo, time q está bem mto bem no Clausura Argentino, brigando pelo título.
A partir daí, os Pinchas aproveitaram a boataria geral acerca da vaga e começaram a jogar o torneio nacional c/ o time reserva. Quase na msm época q o Inter...

André Augusto disse...

Realmente, uma puta sacanagem se derem a vaga na Libertadores pro campeão. Mudar as regras em meio ao campeonato.

gerson disse...

não acredito em punição definitiva ao peru. isso vai mudar.por isso nem levo a sério esse papo.

gerson disse...

e o título da sul-americana pra mim já valeu por si só. Projeção, festa da torcida, aumento das vendas nas lojas do inter em 40%. O clube ganhou muito com o título. E taça é taça. Quem avalia importância de título pra justificar derrota tem mais é que não ganhar nada mesmo. Ou será que depois da final de quarta o Luxa prefere o paulistão?

Felipe Brisolla disse...

Um coisa que tem me irritado é a opinião de alguns comentaristas de que o Inter é o melhor time do Brasil. Ridículo!! O Colorado pode ter o melhor elenco, mas time eles ainda estão longe... Até porque essa estratégia de poupar os titulares na brasileirão foi burra.... E explico: Com o tanto de pontos que Palmeiras, Cruzeiro e Flamengo perderam na reta final, dava perfeitamente para o time conquistar uma vaga na libertadores.... Como o time priorizou o torneio, consquistou o título com méritos... Só que no ano do centenário eles vão sentar na poltrona e assistir o Grêmio disputar a libertadores!!!

Erick Amirat disse...

O inter é um time muito irregular .... perdeu ou empatou pra times fracos do Brasileirão e ganhou de outros em que não era o favorito. Sua campanha na Sulamericana foi excepcional, ganhando invicto a competição, mas de maneira nenhuma é o melhor time do Brasil.