12.1.11

Hora de voltar

Maicon e Júlio César, em ação pelo Brasil: peças importantes que devem voltar logo à lista de convocados de Mano

Na seleção ideal, divulgada pela Fifa e votada pela própria federação internacional de jogadores (FIFPro), a zaga era composta por Maicon (29 anos) e Lúcio (32 anos), dois dos pilares da Inter de Milão que ganhou tudo, mas que tiveram desempenho discreto na Copa do Mundo da África do Sul com o Brasil.

Mano Menezes chegou com o discurso de renovação à Seleção. E ela era necessária, principalmente no meio-campo, engessado na era Dunga, e no ataque. O ex-técnico do Timão conservou apenas Robinho e Dani Alves inicialmente, em relação grupo de convocados para os amistosos que marcaram sua caminhada no comando do time, contra EUA, Ucrânia e a queda diante da Argentina de Messi. Porém, contra a França, em fevereiro, Mano precisa começar a injetar experiência para a base que disputará a Copa América neste ano. E ela passa por nomes como o goleiro Júlio César (só não foi eleito o melhor de 2010 por conta da temporada de Casillas), Maicon e Kaká (28 anos) – apesar da qualidade indiscutível, a idade de Lúcio tornaria inviável que mantivesse o mesmo ótimo nível até 2014.

O goleiro segue soberano no gol nerazzurri. Seu único "pecado" em 2010 foi mesmo a falha no jogo contra a Holanda, pelas quartas de final da Copa. Mano testou o bom Victor, chamou o questionável Jefferson e o jovem Neto – que está de malas prontas para a Fiorentina. Mas nenhum deles chega próximo a excelência do camisa 1 do Brasil nos últimos anos (foi eleito pela IFFHS como um dos dez melhores da posição na última década).

As diferenças entre Maicon e Daniel Alves, primordialmente, são de estilos. Enquanto o lateral da Inter é mais agudo no ataque e defende melhor, o do Barcelona é mais técnico e habilidoso, bate melhor na bola e pode criar jogadas diferentes das do rival de posição. Mas independente da escolha para a camisa 2, ambos devem estar numa eventual lista de Mano. Indiscutivelmente, são os melhores em suas posições não só no Brasil, como no planeta. Tanto que, além da seleção divulgada durante o prêmio da Fifa, nesta semana, Maicon já havia sido eleito como o melhor defensor da Uefa na última temporada, em parte, pelo excelente desempenho com a Inter na Champions conquistada pela equipe de Milão.

O caso de Kaká inspira mais cuidado, já que o meia jogou a Copa no sacrifício, errou em algumas atitudes, mas também acabou chamuscado pela eliminação brasileira. Tudo poderia ser diferente caso seu chute colocado não tivesse sido brilhantemente defendido por Stekelemburg, que evitou o 2 a 0 brasileiro que dificultaria a coisa para os holandeses. Porém, o meia de 28 anos vem retornando aos poucos e 100% clinicamente aos campos. Alguns minutos contra o Getafe e o gol na partida seguinte contra o Villarreal, (não marcava pela equipe espanhola desde abril de 2010) neste início de janeiro, mostram que José Mourinho deve recuperar sua confiança. Algo que Mano, que já declarou estar observando o camisa 8 do Real, não pode deixar de ponderar. Acredito que seja mais fácil para o destaque brasileiro nos últimos anos voltar ao bom futebol do que Ronaldinho Gaúcho, recentemente repatriado ao Flamengo e que acabou chamado na hora errada pela seleção no amistoso diante da Argentina, quando vinha em declínio no Milan.

Caso mantenham o nível habitual, a tarimba desses atletas é imprencindível para uma seleção de tantos jovens e bons valores, como David Luiz, Thiago Silva, Lucas, Neymar e Pato, por exemplo. Acredito que em breve, a sensatez de Mano deverá reconduzir esses jogadores ao escrete canarinho.

2 comentários:

Bruno Gomes disse...

mano está esperando soh a poeira baixar apos o vexame da copa

em breve tds os bons jogadores q estavam na seleção vão voltar

Lucizano disse...

Júlio César faria bem ao Victor, que é um bom goleiro, mas me parece inexperiente. Maicon joga demais e ainda pode ser útil, porém pode ser uma sombra maléfica ao Dani Alves. Kaká precisa voltar a ser o Kaká do Milan, caso contrário é melhor apostar em outros.

Abs