12.4.09

Pequena vantagem

No primeiro jogo das semifinais do Paulistão, muita disputa e igualdade: vantagem mínima aos que atuaram em casa, ambas de virada. Santos e Corinthians poderão jogar pelo empate nas partidas de volta, no próximo fim-de-semana. Mas até onde essa chega essa vantagem aos dois, que jogam por apenas um empate nas próximas partidas?

Os jogos da fase de classificação não podem ser usados como parâmetro, já que a goleada do Palmeiras sobre o Santos ocorreu quando o time praiano estava em plena crise, antes da chegada de Wagner Mancini e o Majestoso foi disputado sem vários jogadores importantes de São Paulo e Corinthians. Mas Palmeiras e São Paulo são muito fortes em casa: o Palmeiras defende invencibilidade de nove jogos no Palestra Itália neste Paulistão – com 20 gols marcados e apenas três sofridos – e o São Paulo só perdeu uma partida no Morumbi em 2009, diante do Santo André na quarta rodada – somente a segunda em oito meses, contando com os jogos da arrancada para o título no Brasileirão 2008. Além do fator campo e de possuírem melhores equipes tecnicamente – ao menos, no papel – uma simples vitória basta para chegarem à grande final.

No entanto, se mantiverem os esquemas adotados contra os rivais, Corinthians e Santos terão no contra-ataque uma arma valiosa. Ambos jogam com atacantes velocistas abertos pelos flancos – Jorge Henrique e Dentinho, pelo Timão e Neymar e Mádson, pelo Peixe – e um atacante referência que também se movimenta razoavelmente e possuí bom poder de finalização. Outro trunfo da dupla vitoriosa é o fato dos rivais dividirem atenção com a Libertadores neste meio de semana. Apesar de classificado, o São Paulo terá de ir à Medellín enfrentar o Independiente. Mesmo que poupe alguns titulares frente aos colombianos, haverá algum desgaste da viagem - bem maior que a ida do Corinthians à Campo Grande para o jogo contra o Mixto, pela Copa do brasil - e o físico da equipe de Muricy Ramalho será posto à prova. Já o Palmeiras tem uma “decisão” em casa, contra o Sport. Uma derrota ou empate deixa o Verdão com a vida mais difícil na competição continental, o que poderá trazer abatimento, fator que pode influir na partida contra a equipe de Luxemburgo na partida decisiva contra o Santos.

Certamente, São Paulo e Palmeiras terão de partir pra cima. Mas Mancini e Mano Menezes não poderão se dar ao luxo de armar um time para ficar atrás, visto que seus adversários possuem ataques poderosos: a mobilidade e o dinamismo do ataque palmeirense, com as boas fases de jogadores como Keirrison e Diego Souza e os matadores Washington e Borges – bons de finalização e na jogada aérea, devidamente municiados por Jorge Wagner – mostram que tal tática seria sufocante e quase suicida. O Santos se valerá de explorar as brechas da desarrumada defesa do Palmeiras, enquanto o Corinthians terá que repetir a boa atuação dos volantes Cristian e Elias para que estes façam o elemento-surpresa para abrir a boa defesa tricolor, sempre com a bola no chão, já que pelo alto a defesa dos comandados de Muricy dificilmente falha. E saber a hora de pôr o regulamento embaixo do braço.

4 comentários:

Gavo disse...

Hello from Roma, Italy.

Nice Blog

gerson disse...

André, acho q o Corinthians mereceu a vitória. É um time bem armado pelo Mano, como todos os times que ele treina. E acredito q o São Paulo terá muitas dificuldades para tirar a vantagem do Corinthians.
Mas, qto ao Ronaldo, acho que ele foi pra rachar o cara mesmo. Se o cara dá uma entrada dessas na várzea fecha o pau na hora, hehehe
Abraço!

Luilton disse...

A certeza é de que serão dois grandes jogos!

E, na minha opinião dará, mesmo assim, São Paulo X Palmeiras.

Persio Presotto disse...

Acho que, no Morumbi, o São Paulo reage. Abs, PP